Em 2016 valor chegou a 2,9 bilhões, 19% inferior ao registrado em 2014, revelou relatório do PNUD

No Brasil, o investimento social privado na filantropia chegou a 2,9 bilhões de reais em 2016, valor equivalente a 0,23% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. O montante pode impressionar, mas está abaixo do necessário, aponta o novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e da Plataforma de Filantropia. Lançado na última terça-feira (12), no Rio de Janeiro, documento aborda engajamento de entidades filantrópicas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

O montante investido em filantropia em 2016 foi 19% inferior ao registrado para 2014. Nos Estados Unidos, o volume de recursos disponibilizados para a área equivale a 2% do PIB, bem acima da proporção identificada no Brasil. Segundo o relatório, a filantropia no país sul-americano está concentrada em organizações e empresas, com pouco volume de doações individuais.

A publicação “Filantropia e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: engajando o investimento social privado na agenda do desenvolvimento global” é resultado da parceria de fundações nacionais e institutos como a Fundação Banco do Brasil, a Fundação Roberto Marinho, a Rede Globo, o Instituto C&A, o Itaú, a Fundação Itaú Social, e o Instituto Sabin, além de ter o apoio apoio de GIFE, IDIS, WINGS e Comunitas.

Ainda de acordo com a pesquisa, a educação é a área que recebe mais investimento social privado no Brasil (84%), seguida pelo desenvolvimento profissional e cidadão para jovens (60%) e artes e cultura (51%). A área de direitos humanos tem ganhado força nos investimentos privados, crescendo 14% de 2014 a 2016.

No país, as doações filantrópicas tendem a focar em grupos específicos, com destaque para aqueles relacionados à juventude. As doações para iniciativas sobre questões de gêneros ainda são muito baixas, representando 4% dos investimentos. Em relação a questões raciais, o investimento foi ainda menor — 2%.

Segundo o levantamento, o Brasil apresenta um ambiente relativamente bem estruturado de redes e organizações para a filantropia. Além disso, é um dos quatro países da região da América Latina e do Caribe a ter uma associação formal de fundações filantrópicas. Os ODS são conhecidos e utilizados pela maioria das instituições filantrópicas do país como suporte nas decisões. A necessidade de promover impactos sociais robustos é um dos pontos comuns às agendas de trabalho do setor e das Nações Unidas.

“Estamos criando aqui uma grande rede com a participação da ONU e tendo como norte os ODS”, afirmou a representante-assistente do PNUD, Maristela Baioni, durante o evento de lançamento, que reuniu representantes de diferentes fundações e institutos filantrópicos. “O que nos move é garantir um presente digno e de justiça social. Estamos aqui para ampliar a integração e a sinergia para esse objetivo.”

A distribuição dos investimentos no Brasil ainda é altamente concentrada geograficamente. O Sudeste é a região que mais recebe recursos, seguido do Nordeste. Os investimentos em filantropia no Brasil, em sua ampla maioria, vão para projetos com impacto restrito ao país.

O diretor do Centro Internacional do PNUD em Istambul para o Setor Privado, Marcos Neto, convocou os representantes da filantropia brasileira a se envolver no cumprimento dos ODS. “Temos uma narrativa comum e temos responsabilidade. A gente pode e deve trabalhar juntos. O relatório e este encontro demonstram que os desafios são grandes, mas as oportunidades são ainda maiores”, ressaltou.

Além do panorama sobre a filantropia no Brasil, o documento apresenta recomendações sobre como aprimorar a estrutura regulamentadora do Estado para estimular o potencial filantrópico do Brasil; aproximar a filantropia da sociedade civil, conquistando confiança e promovendo transparência; e ampliar os laços entre diferentes organizações e instituições para fortalecer o impacto das ações, tendo os ODS como guias.

Acesse o relatório “Filantropia e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: engajando o investimento social privado na agenda do desenvolvimento global” (Documento em inglês).

A Plataforma de Filantropia foi criada ao final do ano passado, sob a coordenação de empresas e organizações parceiras e associações de filantropia, com o apoio do PNUD. Com a iniciativa, o Brasil tornou-se o oitavo país-piloto a lançar a Plataforma, ao lado do Quênia, Gana, Zâmbia, Indonésia, Colômbia, Estados Unidos e Índia. Saiba mais clicando aqui.

Fonte: ONUBR

A divulgação deste assunto contempla todos os 
Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

01ods 100x100 02ods 100x100 03ods 100x100 04ods 100x100 05ods 100x100 07ods 100x100 08ods 100x100 09ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100 012ods 100x100 013ods 100x100014ods 100x100 015ods 100x100 016ods 100x100 017ods 100x100

Publicado em Notícias

Iniciativa tem recursos da Fundação BB, BNDES e Fundo Amazônia

Termina no dia 15/12/2017 o prazo de inscrições para o edital Ecoforte Redes, destinado a novas propostas de redes de agroecologia ou ao fortalecimento das já atendidas pela seleção do Ecoforte em 2014, desde que integrem novos grupos ou organizações produtivas.

A iniciativa é da Fundação Banco do Brasil, em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Fundo Amazônia. Serão investidos até R$ 18,5 milhões, sendo R$ 16 milhões para novas organizações, com projetos de valores entre R$ 800 mil e R$ 1 milhão. Os R$ 2,5 milhões restantes são destinados à consolidação e expansão de propostas já beneficiadas pelo Ecoforte, com aporte entre R$ 300 e 500 mil.

Os recursos poderão financiar a construção ou reforma de instalações; aquisição de máquinas, veículos e equipamentos; capacitações e serviços técnicos especializados; e gestão e assistência técnica dos projetos apoiados.

Confira mais informações sobre o edital em fbb.org.br/ecoforte2017

Assista ao vídeo da oficina sobre o Edital Ecoforte, com esclarecimentos sobre o processo de inscrição, realizado no VI Congresso Latino-Americano de Agroecologia.

Programa Ecoforte
Criado em 2013, o Ecoforte possibilitou a integração das organizações participantes, com ampliação da participação de agricultores familiares no processo de transição agroecológica, inserção produtiva de jovens e mulheres, melhoria da capacidade de produção, articulação e realização de negócios solidários nas próprias redes.

01ods 100x100 02ods 100x100 03ods 100x100 010ods 100x100

Publicado em Notícias

Plantio de hortas nas escolas e nas casas das famílias e complementação da merenda com produtos da agricultura familiar local melhoram a qualidade na nutrição

Uma experiência na cidade de Atiquizaya, em El Salvador, a 83 quilômetros ao norte da capital San Salvador, está ajudando a combater a desnutrição infantil nas camadas mais pobres da população, ao mesmo tempo em que garante mercado consumidor para os agricultores familiares locais. A Tecnologia Social Escolas Sustentáveis, organizada pela prefeitura da cidade, promove a educação alimentar e nutricional por meio do plantio de hortas nas escolas e nas casas das famílias.

Além de ser enriquecida com os vegetais colhidos na horta, a merenda é complementada com a aquisição da produção dos agricultores familiares da região, movimentando a economia local. A iniciativa que concorre ao Prêmio Fundação Banco do Brasil, na Categoria Internacional, tem o apoio da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

A metodologia mobiliza professores, pais e alunos, assim como instituições do governo e da sociedade civil em torno de um planejamento e execução integrados para que a iniciativa tenha êxito. "O projeto permitiu que muitos atores se juntassem para promover o desenvolvimento da economia local, com a compra de produtos da agricultura familiar, e assegurou uma alimentação completa para crianças em idade escolar, assim como contribuiu para a mudança cultural na alimentação das famílias", comenta o chefe da Unidade de Segurança Alimentar e Nutricional de Atiquizaya. Outro benefício foi a melhoria na infraestrutura de cozinhas, cantinas e dispensas dos estabelecimentos de ensino.

De 2013 a 2017, foram implantadas hortas escolares em 22 unidades de ensino em Atiquizaya; 17 pomares são mantidos pelo município. Diariamente, cerca de 30.400 alunos recebem alimentos, incluindo frutas e verduras, além de educação alimentar e nutricional, e 147 associações de produtores fornecem frutas, legumes e ovos para as escolas. O projeto foi reaplicado em outros dois municípios - Izalco e Jiquilisco – abrangendo três escolas em cada.

Saiba mais sobre a Tecnologia Social Escolas Sustentáveis

Prêmio
Realizado a cada dois anos, o Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social 2017 tem a cooperação da Unesco no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As finalistas internacionais vão receber troféu e vídeo retratando a iniciativa e também serão convidadas a participar do Fórum Internacional de Tecnologia Social, programado para os dias 21 e  22 de novembro em Brasília (DF), véspera da cerimônia de entrega.

Você pode conferir as finalistas acessando fbb.org.br/finalistas.

 01ods 100x100 02ods 100x100 03ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100

Publicado em Notícias

As iniciativas serão avaliadas por comissão de funcionários da Fundação BB de acordo com critérios do regulamento

Encerrou-se nesta semana a primeira etapa da nona edição do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social. Foram inscritas ao todo 735 iniciativas da América Latina. A próxima fase da premiação é a análise das experiências inscritas, que serão avaliadas por uma comissão - composta por técnicos da Fundação BB - de acordo com os critérios do regulamento. As tecnologias certificadas serão divulgadas no dia 17 de julho e passarão a integrar o Banco de Tecnologias Sociais (BTS) da Fundação BB, que atualmente tem 850 iniciativas.

O BTS é uma base de dados online que reúne metodologias reconhecidas por promoverem a resolução de problemas comuns às diversas comunidades brasileiras. O objetivo do acervo é estimular que as tecnologias sejam reaplicadas em outras comunidades.

Após a certificação, as iniciativas serão classificadas para a premiação. Serão 21 finalistas - três por categoria – que vão receber um troféu e um vídeo documentário da metodologia. Além disso, as entidades serão convidadas a participar do Fórum Internacional de Tecnologia Social, a ser realizado em Brasília (DF), em novembro deste ano.

As categorias voltadas para experiências no Brasil são "Água e Meio Ambiente"; "Agroecologia"; "Economia Solidária"; "Educação"; "Saúde e Bem-Estar" e "Cidades Sustentáveis e Inovação Digital". As vencedoras nacionais vão receber R$ 50 mil. Já as iniciativas da América Latina e do Caribe vão concorrer na categoria "Água e Meio Ambiente, Agroecologia ou Cidades Sustentáveis". A divulgação das finalistas será no dia 31 de julho. Já as vencedoras serão conhecidas na cerimônia de premiação, em novembro, em Brasília.

As categorias do Prêmio estão relacionadas aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Ao longo do processo de análise, serão bonificadas tecnologias sociais que promoverem o protagonismo e o empoderamento feminino, que terão pontuação acrescida de cinco por cento. 

Realizado a cada dois anos, o Prêmio é considerado um dos principais do terceiro setor no País. Esta edição, tem a cooperação da UNESCO no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Acompanhe os resultados de cada etapa do Prêmio no site da Fundação Banco do Brasil (www.fbb.org.br) e no BTS (www.tecnologiasocial.fbb.org.br).

Veja o regulamento no site: www.fbb.org.br/premio

A divulgação deste prêmio contempla todos os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

01ods 100x100 02ods 100x100 03ods 100x100 04ods 100x100 05ods 100x100 06 ods100x100 07ods 100x100 08ods 100x100 09ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100 012ods 100x100 013ods 100x100 014ods 100x100 015ods 100x100 016ods 100x100 017ods 100x100

Publicado em Notícias

Entidades selecionadas têm até o dia 14 de junho para enviar documentação a ser analisada na etapa 3

A Fundação Banco do Brasil divulga o resultado da Etapa 2 do Edital Ecoforte Extrativismo, publicado nesta quarta (24) no Diário Oficial da União. A seleção é voltada a entidades sem fins lucrativos que reúnem produtores extrativistas em projetos em unidades de conservação federais de uso sustentável no Bioma Amazônia.

Após a análise de recursos, as entidades selecionadas têm até o dia 14 de junho para enviar a documentação da Etapa 3 prevista no item 8.3 do edital. Esta etapa, de caráter eliminatório, consiste na análise dos orçamentos e dos documentos que confirmam a aprovação, por parte das entidades executoras e comunidades envolvidas, das ações previstas no projeto.

Os documentos devem ser entregues pessoalmente ou enviados via postal em um único envelope lacrado, encaminhado para a Comissão de Seleção, no endereço da Fundação BB: SCN Quadra 01, Bloco A, Edifício Number One, 10º andar, Brasília, DF, CEP: 70.711-900, com AR (Aviso de Recebimento).

Investimento
O investimento social será de R$ 8 milhões, da Fundação Banco do Brasil e do Fundo Amazônia, gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A seleção vai apoiar empreendimentos coletivos nas fases de produção, beneficiamento ou comercialização de produtos extraídos por meio de práticas sustentáveis na floresta.

Para acessar o resultado definitivo da Etapa 2, clique aqui.
Para acessar a ata de julgamento dos recursos da Etapa 2, clique aqui.
Para acessar a página do Edital Ecoforte Extrativismo, clique aqui.

A realização deste projeto contempla quatro Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidascom metas para o ano de 2030

1 8  10  15

Publicado em Notícias

Iniciativa já chegou a 1,7 mil famílias, a maior parte ribeirinhas, nos estados do Amazonas, Acre, Amapá e Pará

Uma tecnologia social desenvolvida no Amazonas permite o acesso a água potável e a banheiro dentro de casa para mais de 1,7 mil famílias extrativistas em comunidades no interior do próprio estado e também no Acre, Amapá e Pará. A iniciativa - “Sistema de Acesso à Água Pluvial para Consumo de Comunidades Extrativistas” - idealizada pela Associação dos Produtores Rurais de Carauari (Asproc), foi vencedora do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2015, na categoria "Comunidades Tradicionais, Agricultores Familiares e Assentados da Reforma Agrária". O projeto reduziu em 80 por cento a incidência de verminose nas crianças. Até o final de 2018, o sistema deverá atender 3.317 famílias, a maior parte ribeirinhas, em contratos de reaplicação da metodologia firmados com o Governo Federal.

Faça a inscrição para o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2017

A tecnologia consiste na instalação nos domicílios de um reservatório para captação de água de chuva com capacidade de mil litros e a construção de um banheiro com fossa que isola a dispersão do esgoto. O processo se completa com a implantação de um reservatório comunitário, o abastecimento de água do subsolo ou de um rio mais próximo, o tratamento recurso hídrico acumulado e a distribuição em rede comunitária em períodos de estiagem. As famílias participantes recebem capacitação para a construção dos reservatórios, o uso racional da água, e a adoção de práticas de higiene, saúde e preservação ambiental.

"A gente ouve das comunidades o quanto muda a vida das pessoas, que antes tinham que andar mais de 100 metros para pegar água, não podiam tomar um banho em privacidade, tendo que fazer as necessidades no mesmo espaço que galinhas e porcos", explicou o presidente associação, Manoel Cosme Siqueira. Com a tecnologia, as famílias passaram a ter água encanada e banheiro próprio, além de os dejetos terem descarte correto, evitando a contaminação do solo e de rios e igarapés.

De acordo com Siqueira, o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2015 foi um estímulo para vencer novos editais e ampliar o número de moradores atendidos pela metodologia. "O prêmio veio para agregar mais experiência e visibilidade à associação", afirmou.

Com a própria Fundação Banco do Brasil foram assinados dois convênios para a reaplicação de mais 74 unidades da tecnologia social para comunidades dos municípios de Manaus, Jutaí, e Fonte Boa, no Amazonas. O investimento social é de R$ 1,1 milhão, em convênio assinado com o Memorial Chico Mendes, entidade parceira da Asproc.

Política pública

A associação começou a implantação do sistema em 2009, nas comunidades do Médio Juruá, no Amazonas. Em 2014, a metodologia foi adotada como política pública pelo Governo Federal, em contrato com a organização não governamental Memorial Chico Mendes. Além do Amazonas, a reaplicação foi estendida para os estados do Acre, Amapá e Pará, com a colaboração de outras entidades parceiras.

Confira o manual da TS “Sistema de Acesso à Água Pluvial para Consumo de Comunidades Extrativistas”

A divulgação deste projeto contempla três Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

3  6  11

Publicado em Notícias

Projeto Voluntários BB FBB 2017 teve 34 propostas habilitadas; Projeto Integração Voluntários BB Aposentados 2016 habilitou 15


A Fundação Banco do Brasil e o Banco do Brasil divulgaram o resultado da Chamada Interna do Projeto Voluntários BB FBB 2017. Na primeira e na segunda chamadas foram habilitadas 34 propostas, totalizando um valor de R$ 1,8 milhão.

Para completar o montante de investimento social previsto, de R$ 3 milhões, as propostas não habilitadas terão até o dia 29 de maio (dez dias úteis) para verificar as pendências encontradas no processo de validação. Terão prioridade na classificação as que forem registradas primeiro, conforme os critérios da seleção, até atingir o valor total de R$ 3 milhões.

A Chamada Interna é voltada iniciativas de inclusão socioprodutiva, geração de trabalho e renda, cuidado ambiental e educação, desenvolvidas por entidades sem fins lucrativos que tenham a atuação do Voluntariado BB. O valor determinado de cada proposta é de R$ 40 mil a R$ 60 mil.

Veja a lista das propostas habilitadas na Chamada Interna do Projeto Voluntários BB FBB 2017

Veja a lista das propostas não habilitadas com o respectivo item da chamada pendente

Confira as alterações nas regras

Funcionários aposentados

Também foi divulgado o resultado final da Chamada Interna do Projeto Integração Voluntários BB Aposentados 2016. Das 128 propostas enviadas pelas agências, 15 foram validadas na fase 2.

A seleção é destinada as entidades sem fins lucrativos que atuam no terceiro setor e tenham o apoio de funcionários aposentados do Banco do Brasil que desenvolvem trabalho voluntário. O valor de apoio da Fundação Banco do Brasil com recursos não reembolsáveis para cada proposta vai de R$ 35 mil a R$ 70 mil. O investimento social total aos projetos será de até R$ 1 milhão.

Confira o resultado final do Projeto Integração Voluntários BB Aposentados 2016 

A divulgação deste prêmio contempla dois Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

11   17

Publicado em Notícias

Fundação BB participa de celebração que dá início à revitalização de Biblioteca Lúdica e Interativa no Centro de Educação Amiguinho Feliz


“A gente acha que para ser voluntário precisa mover meio mundo. Mas, não. Às vezes é mais simples do que a gente imagina”. Foi assim que o funcionário da agência do Banco do Brasil em Blumenau (SC), Guilherme Piske definiu como é ser voluntário.

A 500 metros do seu local de trabalho há uma entidade que cuida de crianças e adolescentes enquanto os pais trabalham, o Centro de Educação Amiguinho Feliz. A entidade vive de doações e oferece educação infantil em período integral para crianças de até 6 anos de idade, e apoio escolar no contra turno das aulas para as de 6 a 12 anos. Ao todo, o centro atende 180 alunos e desenvolve atividades de educação, saúde, lazer, arte e cultura enquanto os pais trabalham e geram renda familiar. O acolhimento reduz a situação de vulnerabilidade social e promove melhoria na qualidade de vida dessas famílias.

Foi ali que Guilherme e mais 13 colegas, reunidos em equipe, encontraram uma oportunidade de desenvolver um trabalho voluntário. “A história deles mexeu com a gente”, destacou outra integrante da equipe Marineusa Sutter.

Além das doações pessoais que os funcionários já faziam à entidade, eles desenvolveram uma ação maior, concretizada com o Projeto Voluntários BB/FBB. O projeto prevê a revitalização de um antigo espaço de leitura. Com investimento social de cerca de R$44 mil da Fundação Banco do Brasil, o local vai ser reformado e vai receber instalação de piso, pintura, móveis e cerca de 120 livros novos. A intenção é promover o enriquecimento pedagógico e cultural das crianças e estimular o hábito da leitura.

“Esse espaço vai ser importante para o desenvolvimento das atividades que desenvolvemos na entidade. É lá que procuramos estimular o repertório cultural das crianças, com a promoção da criatividade, estímulo à leitura e a interação com a literatura”, destacou Josiane Carvalho, orientadora pedagógica do Centro de Educação Amiguinho Feliz.

Graças a essa iniciativa, nesta sexta-feira (26), nas vésperas do Dia Nacional do Voluntariado, a Fundação BB assina e oficializa o convênio que vai dar início às obras para a reestruturação da Biblioteca Lúdica e Interativa no Centro de Educação Amiguinho Feliz. A data comemorativa do próximo domingo, dia 28, nos relembra a importância de desenvolvermos uma atividade em prol do próximo.

"Ser voluntário e desenvolver essa ação nos trouxe o espirito de coletividade. A equipe passou a pensar diferente depois do Amiguinho Feliz. Ele nos trouxe uma sensação de familiaridade entre os colegas de trabalho”, concluiu o funcionário do BB Carlos Eduardo Pitz.

O projeto Voluntários BB/FBB tem como objetivo apoiar ações sociais e ambientais desenvolvidas por instituições sem fins lucrativos, com iniciativas de inclusão socioprodutiva, geração de trabalho e renda, cuidado ambiental e educação.

 

Publicado em Notícias

Em seis anos, entidade investiu R$ 1,8 milhão na inclusão socioprodutiva de 350 ribeirinhos do Rio Madeira

A Organização Raiz Nativa atua, desde 2010, em assentamentos nas margens do Rio Madeira, na região perimetral urbana de Porto Velho (RO) em parceria com a Fundação Banco do Brasil. Ao todo, foram atendidas 350 pessoas que ganham a vida com o manejo do coco babaçu, criação de frango caipira, cultivo de hortaliças, plantio de mandioca e fabricação de queijo.

Toda a produção dos cooperados é vendida para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), do governo do estado, na feira do produtor e nos mercados locais. A maior parte da farinha do babaçu vai para Palmas, no Tocantins.

Em seis anos, o investimento social da Fundação BB foi de cerca de R$ 1,8 mi, o que permitiu a compra de equipamentos, a criação de viveiros de mudas e a realização de cursos de qualificação para os cooperados. Parte desse recurso é do Fundo Amazônia, que tem a parceria da Fundação BB e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

No último dia 10, a Raiz Nativa fez a mais recente aquisição: uma caminhonete 4x4. O veículo vai ajudar no apoio logístico dos trabalhos desempenhados pela equipe técnica e no monitoramento dos projetos.

A parceria também investe em projetos socioambientais, visando à proteção de áreas degradadas e à preservação do meio ambiente. No início de setembro, a organização vai inaugurar as novas instalações da agroindústria do babaçu. O novo espaço vai permitir produzir em maior escala e vender para todo País.

“Temos a Fundação Banco do Brasil como a nossa grande parceira. Nesses anos todos os nossos projetos foram aceitos e aplicados na região com grande êxito", declarou Elias Alves, coordenador do projeto. Ele contou, ainda, que as ações desenvolvidas pela Raiz Nativa vão além de investimentos com recursos financeiros. “Buscamos a integração das comunidades.

Antes, apesar da proximidade, quase não se comunicavam, praticamente não se conheciam. Hoje existe colaboração e todos se ajudam”, concluiu.

Em 2015, a Raiz Nativa reflorestou as margens do rio Madeira com 50 mil mudas, numa parceria com a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), a Secretaria Municipal de Agricultura (Semagric), a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMA) e a Prefeitura Municipal.

Publicado em Notícias

Investimento de R$143,3 mil na Cooperacaju, em Ribeira do Pombal, será destinado à reestruturação da entidade e compra de máquinas e equipamentos

Na manhã desta quarta-feira (10), a Cooperativa da Cajucultura Familiar do Nordeste da Bahia (Cooperacaju) e a Fundação Banco do Brasil assinam convênio para aperfeiçoamento dos empreendimentos que compõem a Rede Cooperacaju. As ações vão contribuir para a melhoria da qualidade de vida e incremento de renda dos produtores de castanha de caju da região nordeste da Bahia.

O recurso de R$ 143,3 mil será aplicado na construção do muro de cercamento do prédio da entidade e nas adequações hidráulicas e elétricas da edificação; na compra de um veículo; na aquisição de cinco máquinas e equipamentos usados na produção de embalagens; e também na compra de dispositivos de informática e softwares. 

O gerente do Banco do Brasil em Ribeira do Pombal (BA), Djalma Matos, representará a Fundação BB na assinatura de convênio que acontece, às 9h15, na sede da Cooperativa, juntamente com a presidente da Rede Cooperacaju, Maria da Paz. Em seguida, o contador José Chainy e o consultor Jesiel Campos vão ministrar uma oficina de gestão financeira e operacional para diretores e cooperados da Rede. 

Cinco cooperativas compõem a Rede Cooperacaju: Cooperativa regional do Agricultores de Antas, novo Triunfo e Sitio do Quinto (Coopans ); Cooperativa dos Cajucultores Familiares da Microrregião de Banzaê, Euclides da Cunha e Quijingue (Cooperbeq); Cooperativa Regional dos Agricultores Familiares de Ribeira do Amparo, Cipó e Ribeira do Pombal (Cooperprac); Cooperativa dos agricultores familiares de Tucano e Araci (Coopatua) e Cooperativa Regional dos Agricultores de Lamarão, Água Fria, Biritinga e Sátiro Dias (Coopralabs).

Desde 2006, a Fundação BB investiu R$ 5,3 milhões na Rede Cooperacaju - na organização da cadeia produtiva de caju, com estruturação das minifábricas de castanha, capacitação dos produtores e comercialização da produção. Os projetos envolveram 7.145 pessoas nestes 10 anos.

 

Cooperacaju
Publicado em Notícias