Segunda, 18 Março 2019 14:24

Projeto inaugura viveiro de mudas Destaque

Escrito por Kelly Quirino
Avalie este item
(1 Votar)

O encontro também reuniu novos contratos de produtores rurais para preservação do Rio Pipiripau

Em comemoração ao Dia Mundial da Água, celebrado na próxima sexta-feira (22), a Fundação Banco do Brasil destaca o projeto Produtor de Água no Pipiripau, que foca a recuperação de áreas degradadas na bacia hidrográfica do Ribeirão Pipiripau, na região de Planaltina (DF). Na última sexta-feira (15), um viveiro de mudas para a recuperação da matar ciliar foi inaugurado.. As crianças do Centro Educacional Taquara (CED Taquara) terão a oportunidade de plantar e cultivar no viveiro, montado em parceria com a ONG Pede Planta. A proposta é que as mudas sejam direcionadas ao projeto Produtor de Água e outras ações de recomposição de vegetação. A iniciativa está inserida no Programa Produtor de Água, criado em 2001, e tem como objetivo o uso racional de água no meio rural por meio de ações de revitalização ambiental de bacias hidrográficas, como o reflorestamento e a conservação do solo, em áreas produtivas.

Além do viveiro, dez novos contratos foram assinados durante evento de prestação de contas aos produtores rurais participantes, no Núcleo Rural Taquara. Desses contratos, cinco foram novas adesões e outros cinco foram renovações. Também foram entregues cheques simbólicos aos produtores que já realizam ações em sua propriedade, como pagamento pelos serviços ambientais prestados.

Para o produtor Maurício Rezende, participante do projeto desde 2012, ver começando com poucos produtores e hoje ter novas adesões é algo bastante positivo. “Aos poucos os produtores foram acreditando e abraçaram o projeto”, disse o Rezende. Ele conta que observa os resultados do projeto por meio de uma lagoa próxima de sua propriedade. “Antes, com qualquer chuva, a lagoa enchia de terra, assoreava e a água ficava barrenta, hoje com chuva de 60mm a água mantém limpa e isso é prova concreta do resultado desse trabalho”, afirmou o produtor.

A produtora Elaine Vasconcelos, uma das agraciadas com o cheque simbólico, receberá seu primeiro pagamento pelos serviços ambientais (PSA). “A proposta é tão nobre que o cheque passa a ser apenas um incentivo, porque o mais importante é toda a estrutura e o apoio que estamos recebendo no projeto”, afirma a produtora.

Projeto Produtor de Água no Pipiripau 

O projeto na bacia hidrográfica do Pipiripau foi implantado em 2012. Os valores investidos no projeto foram em torno de R$ 6 milhões, que custearam a plantação de mais de 360 mil mudas, além de atividades de conservação de solo em mais de 1,3 mil hectares.

Organizada pela Unidade de Gestão do Projeto Produtor de Água no Pipiripau (UGP Pipiripau) a ação reuniu as 17 instituições parceiras para ouvir e dar apoio aos produtores rurais participantes do projeto. Além da coordenação da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), participam do projeto Produtor de Águas a Secretaria de Agricultura (Seagri) e Secretaria de Meio Ambiente do DF (Sema-DF); Companhia de Águas e Esgotos de Brasília (Caesb); Departamento de Estradas e Rodagens (DER-DF); Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF); Instituto Brasília Ambiental (Ibram); Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco); Banco do Brasil (BB); Fundação Banco do Brasil (FBB); Rede de Sementes do Cerrado; TNC; WWF; Ong Pede Planta; Embrapa e Universidade de Brasília (UnB).


Prêmio de Tecnologia Social da Fundação Banco do Brasil


O projeto Produtor de Água do Pipiripau é um exemplo de tecnologia social na área de gestão de recursos hídricos. Ações criadas para solucionar problemas, que sejam de fácil aplicação e que tenham a participação da comunidade, podem se inscrever na 10ª edição do Prêmio de Tecnologia Social.

As inscrições da premiação estarão abertas até o dia 21 de abril de 2019. Podem participar entidades sem fins lucrativos, como instituições de ensino e de pesquisa, fundações, cooperativas, organizações da sociedade civil e órgãos governamentais de direito público ou privado, legalmente constituídas no Brasil ou nos demais países da América Latina ou do Caribe.

As tecnologias certificadas entram para o Banco de Tecnologia Social e as finalistas vão concorrer a prêmios de R$ 20 a R$ 50 mil.Nesta edição, são quatro categorias nacionais – Educação, Geração de Renda, Meio Ambiente, Cidades Sustentáveis e Inovação Digital, uma categoria Internacional e três premiações especiais – Mulheres na Agroecologia, Gestão Comunitária e Algodão Agroecológico e Primeira Infância. Este o valor total das premiações em todas as categorias será de R$ 700 mil.Acesse o regulamento e faça a inscrição no site https://fbb.org.br/pt-br/premio

Ler 1021 vezes Última modificação em Terça, 19 Março 2019 18:26

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.