Segunda, 01 Outubro 2018 14:10

Cultivo de ostras com sustentabilidade

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Portal   ostra

Projeto gera renda para famílias extrativistas e preserva vida marinha

Com as novas formas de cultivo de ostra realizadas pelo Projeto de Desenvolvimento da Ostreicultura, a pequena comunidade pesqueira de Canguaretama, no interior do Rio Grande do Norte, está contribuindo com um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Em especial, com o ODS 14 – Vida na Água, que visa, entre suas metas, gerir e proteger os ecossistemas marinhos e costeiros para evitar impactos adversos significativos e a conservação e uso sustentável dos oceanos.

A cidade é um dos principais polos produtores de ostras nativas do estado, mas o extrativismo estava dizimando os bancos naturais do molusco. Com o projeto desenvolvido por meio de uma parceria entre a Fundação Banco do Brasil (FBB), Sebrae do Rio Grande do Norte e a prefeitura local, essa realidade mudou. Cerca de 30 produtores da região recebem consultoria técnica toda semana e um kit com estrutura para criação de ostras, além de 20 mil sementes (larvas das ostras), gerando uma renda inicial de mais de R$ 1 mil. O objetivo é que esses ostreicultores passem a cultivar as ostras no estuário do rio Curimataú, em vez de extraí-las dos manguezais.

Marcelo Medeiros é o gestor do projeto no Sebrae. Ele explica que a população local tem reagido bem ao cronograma inicial. “Com a entrega dos kits e início das instalações das estruturas de produção, os ostreicultores têm participado mais ativamente das atividades propostas. A tendência é que com a continuidade dessas instalações, aumente ainda mais o comprometimento de todos”.

Sobre as consultorias oferecidas para a comunidade pesqueira, Medeiros explica que dois técnicos – uma bióloga e um engenheiro de pesca – são responsáveis pelas visitas e atividades. “Eles se alternam nos atendimentos ou também desenvolvem atividades conjuntas. Essa troca de conhecimento é fundamental, já que estamos no início do cronograma. Estamos monitorando essas atividades e na medida do possível vamos tentar antecipar algumas atividades, como a instalação das estruturas, que está prevista para ser concluída em 2019”, explica.

Profissionalização
Os ostreicultores familiares também receberam carteiras de Registro Geral da Atividade Pesqueira (RPG) – documento que é requisito para cada profissional praticar a atividade de forma regular. Além do incentivo às famílias, o projeto também estimula a sustentabilidade ambiental, mais especificamente na reciclagem de garrafas PET que eram descartadas incorretamente nos manguezais e que agora são reutilizadas para a confecção de novos sementeiros. Segundo dados do Sebrae, o trabalho dos ostreicultores familiares já garantiu a reciclagem de mil garrafas PET na região. Esta ação também está prevista em uma das metas do ODS 14, que visa prevenir e reduzir, até 2025, a poluição marinha de todos os tipos, especialmente a advinda de atividades terrestres, incluindo detritos marinhos e a poluição por nutrientes.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
Definidos pela ONU, em 2015, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, também conhecidos como Objetivos Globais, fazem parte da Agenda 2030, que se baseia nos progressos e lições aprendidas com os 8 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, entre 2000 e 2015. Esta agenda é fruto do trabalho conjunto de governos e cidadãos de todo o mundo que pretende criar um novo modelo global para acabar com a pobreza, promover a prosperidade e o bem-estar de todos, proteger o meio ambiente e combater as alterações climáticas. No total são 17 ODS e 169 metas que estimulam ações até o ano de 2030 em áreas de importância crucial para a humanidade e para o planeta.

Box ods 14

Ler 1448 vezes Última modificação em Sexta, 07 Dezembro 2018 09:30

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.