Portal Interno   Projeto Mares

A Fundação Banco do Brasil é parceira da Cáritas em projetos destinados aos imigrantes e refugiados em Brasilia e no Rio de Janeiro

Ingressar no mercado de trabalho no Brasil não tem sido fácil para ninguém. E o desafio é ainda maior para aqueles que chegaram ao país em situação de refúgio. Pensando em ajudar os que buscam uma oportunidade, a Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro se uniu à Fundação Banco do Brasil e à Academia Cisco no projeto Mares – Mediação para o Aprendizado de Refugiados e Solicitantes de Refúgio.

O projeto teve início em março deste ano, com capacitação profissional em tecnologia digital, segurança cibernética e empreendedorismo. De início, 107 pessoas de 16 países foram inscritas para as aulas semanais. As turmas foram compostas por alunos da Venezuela, Colômbia, Nicarágua, Cuba, República Democrática do Congo, Serra Leoa, Togo, Benin, Angola, Guiné Equatorial, Nigéria, Uganda, Palestina, Marrocos, Rússia e Paquistão. Dessas, 62 já concluíram os cursos e receberam a certificação da Academia Cisco. Em agosto outras duas turmas com aproximadamente 25 alunos cada, iniciaram as aulas. Para ajudar na reinserção no mercado de trabalho, a Cáritas também oferece aulas de português e de outros idiomas aos imigrantes e refugiados.

Até 2018, o Ministério da Justiça reconheceu 10,5 mil pessoas na condição de refugiados. Um levantamento feito pela Agência da ONU para Refugiados (Acnur) revelou que os refugiados que vivem no Brasil têm escolaridade acima da média brasileira, mesmo assim, eles têm dificuldade para conseguir emprego, e a maioria não consegue revalidar o diploma no país, fator que impede de serem contratados pela profissão exercida no país de origem.Esaie

Mas para o congolês Esaie Mbamba, de 33 anos, todos esses obstáculos serviram de degraus para o seu crescimento. Formado em Comunicação e há 10 anos morando no Brasil, ele conta que já venceu muitas barreiras. Quando chegou aqui, fugindo da guerra e da repressão, buscava um bom lugar para viver e para trabalhar. Hoje trabalha com gravações e fotografias de eventos, videoclipes, reportagens jornalísticas e documentários, e ainda administra páginas (https://www.radiookapi.net/, congonewsnetworktv: no Facebook, Twitter e no Youtube), que considera instrumentos importantes para ajudar seu povo na comunicação com os brasileiros.

Esaie não perde tempo, sempre que pode abraça toda oportunidade para aperfeiçoar e adquirir novos conhecimentos. Dos cursos oferecidos pelo projeto Mares, ele já fez três: CCNA – Cisco Certified Netwok Associate, que ajuda a compreender melhor a internet, os computadores e as redes sociais; Introdução à Internet de Todas as Coisas, curso que preenche lacunas entre os sistemas operacionais e de tecnologia da informação e de Empreendedorismo, que ajuda a despertar as habilidades necessárias para planejar, abrir uma empresa e fazer gerenciamento financeiro. 

“Conheci o Brasil por meio do Consulado, quando foi instalada a embaixada brasileira na República Democrática do Congo. Na época, foi feito um acordo de intercâmbio entre os países e nós recebíamos incentivos para conhecer mais sobre o Brasil. Nessa época, eles abriram as portas para que nós tivéssemos a chance conhecer a cultura brasileira. Foi quando conheci mais sobre o futebol e as músicas brasileiras, que eram traduzidas para o francês, o que me fez apaixonar pelo país e ter a certeza de que aqui eu teria oportunidades”, relata.

Carmem Ubina e seu esposo Erick Johary Ramos também estão sendo beneficiados pelo projeto Mares. O casal venezuelano chegou ao Brasil há seis meses, fazendo o caminho mais conhecido por seus conterrâneos, por Roraima. Quando deixaram a Venezuela, Carmem estava terminando o curso de Administração de Empresas, faltava apenas o projeto final de conclusão do curso, e Erick trabalhava na área de Tecnologia da Informação, mas tiveram que deixar tudo para trás. Mesmo com todos os desafios, os dois já fizeram alguns cursos oferecidos pelo projeto Mares, além das aulas de português. Em maio deste ano, após dois meses de aulas, Erick conseguiu um emprego como auxiliar técnico em uma empresa de instalação e manutenção de alarmes e câmeras de vigilância interna. “Estou muito feliz com a oportunidade que estamos tendo do Brasil. Agora estou em busca do meu trabalho e espero conseguir logo, porque queremos viver aqui e ter melhor qualidade de vida”, declarou Carmem.

Além da parceria com a Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro no projeto Mares, a Fundação BB também contribui para a melhoria de vida dos migrantes e refugiados que vivem em Brasília e região do entorno, por meio do projeto Educação e Capacitação para Refugiados e Migrantes no Distrito Federal e Cidades do Entorno, com a Cáritas Brasileira.

Published in Notícias

Portal Interno   Vozes Daqui

Vozes Daqui foi lançado pela Fiat Chrysler, Fundação BB e AVSI Brasil com a participação da comunidade (Fotos: NTB Conteúdo)

Promover o desenvolvimento de jovens por meio de ações educativas e socioculturais é um gesto de incentivo à educação e à inclusão social e possibilita melhores condições para uma comunidade a curto, médio e longo prazo. Mesmo com a existência de políticas públicas nesta área, a junção de forças entre a iniciativa privada, a sociedade civil organizada e entidades sem fins lucrativos ajuda a fortalecer esta prática. Um exemplo desta união é a parceria entre a Fiat Chrysler Automóveis (FCA), a Fundação Banco do Brasil e a Associação Voluntários para o Serviço Internacional (AVSI Brasil), que realizaram nessa quarta-feira (28) o lançamento do Vozes Daqui, um projeto que pretende despertar e aprimorar o interesse de alunos e da comunidade pelo ambiente escolar na cidade de Goiana (PE).

O projeto visa fomentar o protagonismo de alunos, professores e da comunidade para a criação e o desenvolvimento de ações que garantam melhorias no espaço físico de nove escolas do município e da relação escolar entre todos os envolvidos. Cerca de 450 alunos, 25 professores e gestores escolares, além de 40 lideranças e moradores da comunidade serão envolvidos nessas ações.
 
Durante o lançamento, que ocorreu no polo automotivo Jeep, em Goiana, o diretor de Comunicação e Sustentabilidade da FCA para a América Latina, Fernão Silveira, disse que o projeto promove um ambiente harmonioso para valorizar e aumentar o interesse dos jovens pela escola e pelo aprendizado. "Acreditamos na educação como um fator decisivo para a promoção de igualdade social e para o aprimoramento do ensino público. Essa tem sido uma de nossas missões sociais desde a inauguração do polo automotivo, há quatro anos". A FCA atua na região com o programa Rota do Saber, com foco no fortalecimento do ensino público por meio da capacitação de professores e gestores escolares de seis municípios da região.

Já o presidente da Fundação BB, Asclepius Soares destacou a importância do incentivo à educação na vida dos estudantes. "Com mais essa parceria a Fundação BB mantém o seu foco na construção da cidadania e na conscientização dos direitos das crianças, adolescentes e na valorização dos professores, porque a educação é o caminho para o desenvolvimento, e a nossa atuação conjunta é para que esses jovens sintam-se  incluídos e valorizados", concluiu.  

Nos últimos dez anos, a Fundação BB investiu no estado de Pernambuco mais de R$ 14 milhões em 294 projetos na área de educação. As ações foram desenvolvidas em 37 municípios e atenderam cerca de 30 mil participantes.

Tecnologia Social

O evento também teve a contribuição de Jayse Ferreira, professor de escola pública do município de Itambé, situado na Zona da Mata Norte de Pernambuco, e que figurou na lista dos 50 melhores professores do mundo tendo concorrido, neste ano, ao Global Teacher Prize, uma espécie de Prêmio Nobel na Educação. Durante o lançamento, em Goiana ele participou do debate “Educação que transforma: Metodologias que dialogam com o universo estudantil”. Jayse também foi vencedor na categoria ensino médio, do Prêmio Professores do Brasil, concedido pelo Ministério da Educação (MEC), em 2014 e em 2017 e é o idealizador da tecnologia social Vamos Encurtar Essa História - uma das três finalistas do Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social 2019, que será realizado em outubro deste ano.

 

Published in Notícias

Portal Interno Finalistas Educação

As iniciativas são de Viçosa (MG), São Paulo (SP)  e Itambé (PE) e já passam a integrar o Banco de Tecnologias Sociais da Fundação BB

As três finalistas da categoria Educação do Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social de 2019 já foram selecionadas. As propostas concorrem aos prêmios de R$ 50 mil para o primeiro colocado, R$ 30 mil para o segundo e R$ 20 mil para o terceiro. Cada tecnologia social será avaliada pelo seu nível de interação junto à comunidade, transformação social proporcionada, inovação e facilidade na reaplicação.

Além de concorrer ao prêmio, que será entregue em cerimônia de premiação no dia 10 de outubro, os finalistas foram convidados a participar do Encontro de Tecnologia Social, a ser realizado em Brasília (DF), na véspera do evento.

As iniciativas já fazem parte do Banco de Tecnologias Sociais (BTS), base de dados on-line que reúne atualmente 1.110 metodologias certificadas por solucionarem problemas comuns às diversas comunidades brasileiras nas áreas de: Alimentação, Educação, Energia, Habitação, Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Renda e Saúde.

Conheça os projetos finalistas da categoria Educação:

A “Escola Ativa”, de São Paulo (SP), tem o objetivo de fortalecer o papel da escola na prática esportiva e na movimentação corporal, garantindo o direito dos alunos de serem ativos e saudáveis. O foco está em sensibilizar e mobilizar a comunidade escolar para a importância do exercício físico, além de capacitar professores e gestores para a aplicação de uma metodologia que amplie o acesso dos alunos às práticas esportivas.

“Tecnologias Sociais e Formação em Ciências da Natureza de Educadores do Campo”, foi idealizado no curso de licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal de Viçosa. Focado em Ciências da Natureza (Biologia, Química e Física), a ideia é promover um aprendizado significativo e apropriado para as escolas do campo, com conceitos agroecológicos. 

E a tecnologia social “Vamos encurtar essa história?”, de Itambé (PE), tem como objetivo despertar o interesse de estudantes pela escrita e leitura, incentivando a produção de releituras de suas histórias preferidas e o uso de tecnologias, propondo a filmagem de um curta-metragem a partir da produção dos roteiros dos alunos.

Para o presidente da Fundação BB, Asclepius Soares “o Prêmio é um dos mais importantes do Terceiro Setor, pois ajuda a disseminar iniciativas simples, de baixo custo, mas com grande potencial de transformação. As tecnologias finalistas na categoria Educação,  buscam soluções para situações vivenciadas no dia-a-dia dos estudantes e compartilham ideias e práticas que podem ser reaplicadas em outras localidades”, avalia.

Nesta edição o Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social tem a parceria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Instituto C&A, Ativos S/A e BB Tecnologia e Serviços, além da cooperação da Unesco no Brasil e apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Ministério da Cidadania, Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Confira as outras categorias finalistas aqui

Conheça as 123 tecnologias sociais Certificadas de 2019

Conheça o BTS aqui

Published in Notícias
Monday, 22 July 2019 16:39

Pernambuco sedia novo projeto em educação

Portal Interno Vozes Daqui

A iniciativa pretende criar um ambiente escolar harmonioso por meio de ações educativas e socioculturais no município de Goiana

Nos últimos 10 anos, a Fundação Banco do Brasil investiu cerca de R$ 255 milhões em educação em todo o país. Só no estado de Pernambuco foram mais de R$ 14 milhões aplicados em 294 projetos de 37 municípios, beneficiando cerca de 30 mil pessoas.

Agora, a Fundação BB se une à Fiat Chrysler Automóveis (FCA) e a ONG AVSI Brasil, para desenvolver o projeto Vozes Daqui, que atuará por meio de ações educativas e socioculturais e beneficiará cerca de 450 alunos do ensino fundamental 2, 25 professores e gestores escolares, além de 40 lideranças e moradores da comunidade, do município de Goiana (PE). O projeto pretende despertar e aprimorar o interesse de alunos e da comunidade pelo ambiente escolar e terá duração de três anos.

A parceria foi firmada na quinta-feira (18), em Brasília. Na oportunidade, o presidente da Fundação BB, Asclepius Soares, ressaltou a importância da união das três instituições a favor da educação. “Sabemos que o problema da educação não se resolve de um dia para o outro. Mas uma parceria importante com a Fiat Chrysler Automóveis e com a AVSI, vem para valorizar a escola e o professor.Assim a comunidade ajuda a construir um futuro melhor”, declarou.

Ao todo, o Vozes Daqui vai receber investimento social de aproximadamente R$ 1,5 milhão durante o período de execução, e as ações estão programadas para o início do mês de agosto. Serão desenvolvidas atividades de mobilização e identificação de alunos e professores; pesquisa e diagnósticos participativos sobre o ambiente escolar, a história e cultura de Goiana; capacitações e formações por meio de oficinas educativas e da Educomunicação (uso das mídias na educação); implantação de projetos de melhoria escolar, além de ações sistemáticas e permanentes de monitoramento e avaliação.

Para Fernão Silveira, diretor de comunicação Corporativa e Sustentabilidade da FCA, a expectativa é das melhores. “Estamos todos com o coração aquecido e com as expectativas muito altas, porque estamos unindo três grandes nomes: a Fundação BB, a FCA e a AVSI. Queremos tornar as comunidades protagonistas da mudança social por meio da educação e temos certeza do impacto positivo desta iniciativa que vai transcender os alunos da rede municipal de ensino de Goiana. Vai se expandir pela Zona da Mata Norte e contagiar Pernambuco. O começo está sendo fantástico e estamos muitos animados em colocar esse projeto em pé”, afirmou.

O vice-presidente e diretor territorial da AVSI Brasil, Jacopo Sabatiello destacou a importância de trabalhar com alianças diversificadas, setoriais e multilaterais, já que a parceria pretende valorizar as diversidades, as diferentes capacidades, recursos humanos, tecnológicos, técnicos e financeiros de todos os envolvidos. “Com a participação de mais atores, o resultado é muito maior do que a soma da contribuição que cada um poderia dar individualmente. O último Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o número 17 da ONU, foca na parceria e implementação de alianças estruturadas por meio das ferramentas jurídicas, metodológicas, financeiras e técnicas que possam responder de forma integrada à complexidade dos problemas que hoje temos que enfrentar”, avaliou.

“Nossos projetos sociais são potencializados pelas parcerias e essas três instituições se unem com o mesmo propósito: demonstra o real compromisso social com a educação que pode ser transformadora para professores e alunos tornando-os protagonistas. Temos bastante expectativa nesse projeto que vai ser bem importante para população local, destacou João Pinto Rabelo Júnior, vice-presidente de Governo do Banco do Brasil.

 

Published in Notícias
Tuesday, 23 April 2019 11:55

#Nem1SemEscola #Nem1SemProfessor

Portal Maior
Fundação Banco do Brasil adere ao movimento pela educação#Nem1PraTrás

A Fundação Banco do Brasil (FBB) aderiu às mobilizações pelo Dia da Educação #Nem1PraTrás, para incentivar melhorias na educação brasileira. No dia 28 de abril, Dia Mundial da Educação, será celebrado o compromisso de garantir a educação às crianças, adolescentes e jovens. A educação no Brasil enfrenta muitos desafios e por isso precisamos falar sobre o tema, conhecer melhor os problemas e aprender com o que está dando certo. Todas as pessoas devem se sentir responsáveis pela qualidade da educação. Você está fazendo sua parte?

Durante todo o dia, o Canal Futura veiculará a campanha #Nem1PraTrás, uma mobilização nacional pela educação brasileira. Serão apresentados debates sobre o tema por 24 horas na programação, boletins diários, divulgação de depoimentos ligados ao tema com o intuito de levantar desafios e formas de resolver os desafios da educação.

 A iniciativa tem também um hotsite e a hashtag #Nem1PraTrás, que resume o conceito de mobilizar a sociedade em prol da garantia do direito ao acesso à educação para todos os brasileiros. Mais de 70 instituições são signatárias do movimento, dentre elas UNICEF, Instituto Ayrton Senna, Instituto Votorantim, Fundação Lemann e TV Globo.

O presidente da Fundação BB, Asclepius Soares (Pepe), reforça que investir em educação é o diferencial que o Brasil precisa. “Todo movimento em favor da educação brasileira é bem vindo à Fundação Banco do Brasil. A transformação do país está na educação que muitas vezes é a principal ferramenta para autonomia e inclusão dos públicos mais vulneráveis”, destacou.

Fundação BB pela educação

A Fundação Banco do Brasil (FBB) definiu a educação como uma das áreas de atuação priorizada na estratégia de investimento social. É o caso do AABB Comunidade, mais antigo programa da Fundação BB, com a parceria da Federação Nacional das AABBs (Fenabb), que promove o desenvolvimento integral de estudantes de escolas públicas com idades entre 6 a 18 anos incompletos, por meio de ações educacionais que favoreçam a inclusão socioprodutiva e ampliem a consciência cidadã, contemplando a formação dos educadores sociais que atuam no programa.

Em 10 anos foram investidos cerca de R$ 164 milhões e beneficiou mais de 467 mil crianças e adolescentes em 456 municípios. Em 2019 o investimento da Fundação no Programa é de R$ 15 milhões atendendo a 220 municípios brasileiros. “O AABB Comunidade oferece muitas oportunidades de aprendizado profissional como conhecimentos em informática e serviços administrativos, mas ele vai além. Aprendemos também a socializar, conviver melhor com o próximo e isso aperfeiçoa o nosso desenvolvimento pessoal”, elogia a estudante Taciele França, de 15 anos, que é beneficiada há sete meses pelo AABB Comunidade Casa Azul de Brasília (DF).

E os investimentos em educação não param por aí. Em fevereiro deste ano a Fundação BB firmou uma parceria com o Instituto Ayrton Senna com foco na alfabetização plena de milhares de crianças brasileiras. Dessa forma, além de garantir que os alunos possam ler, escrever e contar adequadamente, esta iniciativa busca desenvolver competências socioemocionais, tais como: colaboração, curiosidade e autoconfiança, cujos aspectos geram impactos positivos para o sucesso escolar e para o futuro desses estudantes, garantindo-lhes o desenvolvimento integral. O Projeto beneficiará cidades de 10 estados, de quatro regiões brasileiras, por meio da formação de cerca de dois mil educadores que atuam nas redes públicas municipais e que poderão impactar quase 300 mil crianças.

Além do AABB Comunidade, o Banco de Tecnologias Social da Fundação Banco do Brasil (BTS) também é um espaço de iniciativas no campo da educação. Atualmente há 331 metodologias certificadas no BTS, como a Fast Food da Política, vencedora do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2017 na categoria Educação. A iniciativa desenvolve ferramentas educacionais abertas para promover o entendimento das regras que regem a política, sua estrutura, processos e personagens a partir de jogos e metodologias que envolvem a compreensão das bases constitucionais, gestão pública e relações sociais. O objetivo é que até o final de 2019 a metodologia seja utilizada por 1 milhão de pessoas.

A Fundação BB também apoia iniciativas desenvolvidas por entidades sem fins lucrativos com a atuação de voluntários do Programa Voluntariado do Banco do Brasil. Dentre os 56 projetos selecionados em 2018, a educação representou a maior categoria de propostas apoiadas: 45% dos recursos contemplaram projetos educativos.

Acesse aqui para saber mais sobre a campanha Dia da Educação #Nem1PraTrás.

 

Published in Notícias
Tuesday, 09 April 2019 10:07

Brincadeira de criança, como é bom

Idealizador do Curumim Cultural  recebeu o investimento social de R$ 50 mil da Fundação BB para a manutenção do projeto

“Foi como ouvir um grito”! Com esta expressão Bruno Lopes, idealizador do projeto voluntário Curumim Cultural, explica como surgiu a proposta de resgatar brincadeiras, jogos e brinquedos artesanais na comunidade da quadra 604 de Samambaia Norte, em Brasília (DF). A ação começou em 2015, quando ele sentiu a necessidade de desenvolver atividades para socializar crianças e jovens, além de transformar espaços coletivos em ambientes de lazer e diversão.

A iniciativa deu certo e três anos depois Bruno foi vencedor do Prêmio Viva Voluntário, realizado pelo Governo Federal com apoio da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O Prêmio é parte do Programa Nacional Viva Voluntário que identifica e incentiva o desenvolvimento da cultura do voluntariado e da educação para a cidadania, com o objetivo de fortalecer as organizações da sociedade civil e promover a participação ativa da sociedade. Bruno foi o vencedor da categoria Líder Voluntário e recebeu o investimento social de R$ 50 mil, da Fundação Banco do Brasil, para a manutenção do projeto.

Bruno explica que a primeira ação foi reaproveitar e confeccionar brinquedos artesanais populares para promover mais interação com a comunidade. “Passamos a pesquisar e estudar os benefícios do brincar como ferramenta fundamental do desenvolvimento desses jovens. Além disso, também convidamos artistas culturais e atores sociais para compor nossa ideia”, explica.

A equipe fixa conta atualmente com cinco pessoas, mas sempre que há incentivos patrocinados o grupo consegue novos voluntários e assim, desenvolver mais ações.
Em média 50 pessoas são atendidas na ação denominada “Rua de Arte e Lazer”, realizada dentro da própria comunidade, ou seja, a ocupação de ruas, quadras de esporte, pontos de encontro comunitário, entre outros. “Já chegamos a atender mais de 600 pessoas em um único dia, quando realizamos eventos em espaços mais amplos”. O projeto atende crianças em situação de vulnerabilidade social que em sua maioria, não conhecem essa velha forma de brincar. “No projeto Caravana Curumim Cultural, visitamos cerca de 20 localidades, selecionadas de acordo com os equipamentos públicos disponíveis”.

O projetista Luciano Campos, 31, é um dos moradores de Samambaia Norte que aprova as atividades na região. Ele é pai de duas meninas, Luyara Helena (10) e Jhúlia Vitória (7) e frequentemente leva as filhas para participarem das brincadeiras. “Muitas vezes também fico como monitor e passo algumas brincadeiras da minha época para as crianças, como jogar biloca e fazer carrinhos de rolimã”, explica. Para ele as atividades ajudam a exercitar a coordenação motora das filhas que, antes do projeto existir, costumavam ficar mais em casa. “Agora elas participam de todas as atividades, montam e pilotam os carrinhos de rolimã e também participam das oficinas com jogos de raciocínio lógico, como jogo da velha e jogo dos pontinhos, que é mais estratégico”, conclui.

Como ajudar
Você pode colaborar com o Curumim Cultural divulgando o projeto, fornecendo materiais para confecção de brinquedos, alimentos e prestação de serviços voluntários.O grupo já começa a receber demandas de outras comunidades e de
escolas para a realização de atividades com as crianças.
Acesse o blog para conhecer mais ou visite o pefil no Facebook

Viva Voluntário
O programa Viva Voluntário também tem a plataforma Viva Voluntário – que funciona em formato de rede social para conectar cidadãos, empresas e membros sociedade civil que buscam ou promovam oportunidades de trabalho voluntário. A plataforma tem abrangência nacional e busca dar visibilidade a ações voluntárias que acontecem em todo o país possibilitando a junção entre organizações e voluntários. Acesse para saber mais https://vivavoluntario.org/pt-BR

Confira aqui os outros vencedores do Prêmio Viva Voluntário:

Voluntariado nas Organizações da Sociedade Civil

Voluntariado no Setor Público

Líder Voluntário

 

Published in Notícias

Acordo deverá beneficiar municípios de várias regiões. Além de promover a alfabetização plena, os projetos também buscam enfrentar importantes desafios nacionais, como dificuldades na gestão de políticas públicas de alfabetização pelas secretarias de ensino e alta taxa de distorção idade-série (Crédito da foto: Sandro Damasceno)

O Instituto Ayrton Senna e a Fundação Banco do Brasil assinaram hoje (22), uma parceria com foco na alfabetização plena de milhares de crianças brasileiras. Dessa forma, além de garantir que os alunos possam ler, escrever e contar adequadamente, os projetos também buscarão desenvolver competências como colaboração, curiosidade e autoconfiança, conhecidas como socioemocionais e com grande influência no sucesso escolar e futuro desses estudantes, garantindo-lhes o desenvolvimento integral. O acordo irá beneficiar cidades de dez estados, de quatro regiões brasileiras, por meio da formação de cerca de dois mil educadores que atuam nas redes públicas municipais e que poderão impactar quase 300 mil crianças.

Para cumprir o objetivo da alfabetização plena, o Instituto Ayrton Senna, com o apoio da Fundação BB, levará às secretarias de educação diversos de seus projetos educacionais (listados abaixo).

Além de contribuir para o aumento da proficiência escolar por meio de metodologias próprias, os programas também buscarão reduzir outros dois importantes desafios nacionais: as dificuldades de gestão das políticas públicas de alfabetização pelas secretarias de ensino e a alta taxa de distorção idade-série (alunos com mais de dois anos de atraso escolar).

Segundo dados da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), 55% das crianças brasileiras ao final do terceiro ano do Ensino Fundamental, com oito anos de idade ou mais, não sabem ler ou contar adequadamente. A maior causa da manutenção dessa triste realidade encontra-se na ineficácia dos processos de alfabetização.

Para a presidente do Instituto Ayrton Senna, Viviane Senna, é preciso criar oportunidades em larga escala a e não para exceções. “Nosso intuito é oferecer todas as condições para que as crianças tenham melhores oportunidades. Somos um time que junta forças para ajudar as crianças a vencerem a corrida da vida. Precisamos construir um país para todos e não para poucos”, defendeu. Segundo Viviane, a falta de oportunidades como educação compromete o futuro das crianças e interfere negativamente no entusiasmo para sua formação como cidadão autônomo e protagonista no mundo.

No último levantamento feito pelo Instituto Ayrton Senna, de 2017, 77% dos alunos participantes dos projetos educacionais da organização recuperaram a defasagem escolar; 79% dos estudantes não alfabetizados terminaram o ano adequadamente alfabetizados; enquanto que 80% das crianças com dificuldade de leitura e escrita finalizaram o ano com aprendizado adequado.

O presidente da Fundação Banco do Brasil, Asclepius Soares, reforçou que o banco também tem como propósito cuidar do que é valioso para as pessoas. "Queremos valorizar vidas para transformar realidades e não há nada mais transformador do que a educação. Nossa parceria é firmada pelos princípios que nos une", destacou.

Representando o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, o vice-presidente de Gestão de Pessoas, Suprimento e Operações do banco, Antônio Gustavo Matos do Vale, reforçou a parceria entre o Instituto Ayrton Senna e a Fundação BB. "O Banco do Brasil acredita que as instituições não são apenas comerciais e bancárias que visam lucros, mas que também observam o que pode ser feito para melhorar a comunidade que os cercam. Se não tivermos noção que o conhecimento move esse mundo não vamos chegar a lugar algum", concluiu. O encontro também contou com a presença do vice-presidente de Governo do Banco do Brasil, João Pinto Rabelo, além do diretor de Desenvolvimento Global do Instituto Ayrton Senna, Emilio Munaro.

Localidades atendidas pelo acordo:

Manaus (AM)

Santarém (PA)

Fortaleza (CE)

Salvador (BA)

Tocantins - (TO)

Juazeiro (BA)

Ribeirão Pires (SP)

Tatuí (SP)

São Vicente (SP)

Teresina (PI)

Feira de Santana (BA)

Maceió (AL)

Porto Velho (RO)

Águas Mornas (SC)

Alfredo Wagner (SC)

Angelina (SC)

Anitápolis (SC)

Antônio Carlos (SC)

Biguaçu (SC)

Canelinha (SC)

Florianópolis (SC)

Garopaba (SC)

Major Gercino (SC)

Nova Trento (SC)

Palhoça (SC)

Paulo Lopes (SC)

Rancho Queimado (SC)

Santo Amaro da Imperatriz (SC)

São Bonifácio (SC)

São João Batista (SC)

São José (SC)

São Pedro de Alcântara (SC)

Tijucas (SC)

 

Soluções educacionais do Instituto Ayrton Senna:

box Ayrton

 

 

 

Published in Notícias
Thursday, 10 January 2019 11:48

De olho na geração nem-nem

Oficinas educativas incentivam a inclusão de jovens no mercado de trabalho em Santa Catarina

Você já ouviu a expressão geração "nem-nem"? É um termo usado para designar uma geração de jovens que nem trabalham e nem estudam. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), este grupo corresponde a cerca de 23% do total de jovens no país, ou seja, dos 48,5 milhões de pessoas entre 15 e 29 anos, aproximadamente 11 milhões não trabalham e não estudam.

Atenta a esses números, a organização Verde Vida, de Chapecó identificou que a falta de infraestrutura e de políticas públicas impacta diretamente na vida destes jovens, gerando um desinteresse pelo mundo do trabalho e do estudo. Criada em 1994, a instituição percebeu que os bairros onde havia carência de escolas, hospitais e espaços de lazer, além da exposição de jovens à violência e ao pouco vinculo afetivo familiar, gerava um percentual enorme de evasão escolar e, consequentemente, menor oportunidade no mercado de trabalho.

Diante deste cenário, a ideia foi criar oficinas socioeducativas para atender jovens em situação de vulnerabilidade social nos bairros São Pedro e Bom Pastor e colaborar com a comunidade e com o poder público para reverter os índices de jovens "nem-nem". Odair Balen, coordenador da área de educação da Verde Vida, afirma que após a implementação do projeto a autoestima e o engajamento dos jovens melhoraram. “Oferecemos curso de informática, rotinas administrativas e depois eles são encaminhados para o mercado de trabalho, o que gera um orgulho para os jovens e os pais”, avalia Odair.

Parceria com a Fundação BB

O apoio firmado com a Fundação Banco do Brasil, por meio do edital Voluntariado BB, veio em 2018 para fortalecer ainda mais este trabalho que já é desenvolvido há quase 25 anos . O gerente geral da agência de Chapecó, Luciano Tumelero, foi o responsável por conduzir o projeto até a aprovação. “Eu fui pessoalmente. Vi que há muitos jovens em situação de vulnerabilidade social e acompanhei a conclusão do projeto, já que a Verde Vida é uma entidade muito séria e reconhecida pela sociedade de Chapecó pelas ações que faz na área de educação”, ­afirma.

A parceria intitulada Verde Vida Programa Oficina Educativa vai atender 60 jovens em situação de vulnerabilidade social com capacitação para o mercado de trabalho e depois eles serão encaminhados para as empresas locais que são parceiras da instituição. O aporte de 90 mil reais será investido para pagar os professores e também para a aquisição de computadores, notebook, impressora, projetor, bem como itens de mobília, divisórias e climatizador.

O jovem Eduardo das Neves, 16 anos, é um dos alunos da Verde Vida que reconhecem a importância da educação para motivação pessoal. “O Verde Vida é um lugar onde aprendo muitas coisas, uma delas é sobre a educação, Aprendi também que tudo na vida não é muito fácil, que a gente tem que correr atrás do que queremos, às vezes exige muito esforço para conseguir alcançar o que a gente quer, mas se eu me dedicar e aproveitar as oportunidades, eu consigo”, diz Eduardo.

Já Patrícia Federle era uma adolescente muito tímida e que tinha dificuldade de falar em público, o que poderia prejudica-la em uma entrevista de emprego “consegui perder um pouco da minha timidez para falar em público. Consegui ser espontânea com as pessoas. O Verde Vida foi uma base de conhecimento para mim, uma base para minha vida profissional. Assim como eu, os adolescentes que participam do programa, devem aproveitar ao máximo as oportunidades, o programa e as atividades oferecidas” , conclui Patricia.

As oficinas oferecidas pela Verde Vida em parceria com a Fundação BB atenderam 40 adolescentes e a instituição espera atender mais 60 jovens no ano de 2019. “Esperamos assim contribuir para a redução de jovens que nem trabalham e nem estudam”, avalia o coordenador Odair Balen.

Published in Notícias
Monday, 01 October 2018 14:05

Raízes nordestinas registradas no cordel

Portal   Ludocriarte

Projeto inspira crianças a retratar a história dos pais

 Há quase 14 anos, a Associação Ludocriarte de São Sebastião, região administrativa do Distrito Federal, atua em diferentes projetos socioeducativos ligados ao resgate do lúdico, artístico e cultural no processo educativo e formativo da criança.

Em 2017, a Associação foi selecionada na chamada interna do Programa Voluntariado Integração 2017 e recebeu apoio de R$ 70 mil da Fundação Banco do Brasil (FBB) para o projeto “Nossas Raízes Nordestinas - Cultura e Identidade Sob o Olhar da Criança". Lawrence Hiroshi é gerente geral na agência Jardim Botânico, localizada em Brasília, e um dos responsáveis por acompanhar o projeto em parceria com a entidade. “É uma satisfação muito grande apoiar estas iniciativas. Todo projeto que apoiamos e dá segurança social para crianças em situação de risco traz um retorno inestimável para o Banco, a Fundação BB e a sociedade”, relata Hiroshi.

O projeto oferece a 80 crianças e adolescentes da comunidade um espaço de vivência e valorização das suas raízes, visando integrar elementos da cultura nordestina no cotidiano e contribuir para o fortalecimento de sua identidade.

E o primeiro fruto desse trabalho foi o livro de cordel Nosso Pé de Cordel Encantado, com sete histórias, além do vídeo abaixo. O trabalho foi dividido em seis grupos, que se intitularam com nomes de animais da fauna brasileira para cantar e contar suas raízes – tatus, lobos, raposas, oncinhas e tamanduás.

Paolo Chirola, idealizador do projeto, explica que a ideia de fazer um resgate cultural das histórias das crianças e adolescentes se deve ao fato da região de São Sebastião ser composta por 58% de imigrantes nordestinos, sobretudo dos estados do Maranhão e Piauí. Segundo ele, a construção do cordel se deu após treinamentos por meio de oficinas artísticas de música, dança, fantoches, desenhos e pinturas. “Fazemos um trabalho com o envolvimento de todos. Incentivamos os participantes a brincarem com as mesmas brincadeiras dos pais quando crianças, a assistirem filmes e a ouvirem músicas regionais. A partir daí as ideias foram surgindo e o oficineiro só teve o trabalho de juntar os pedaços das histórias, o que resultou nesse trabalho incrível”.

Paolo conta ainda que a única história individual do cordel é de um aluno que foi diagnosticado com autismo. Para incentivá-lo a seguir em frente, eles decidiram publicar sua história na íntegra. “Mais uma vez, a FBB nos proporcionou a possibilidade de desenvolver um projeto de enorme importância para as crianças da Brinquedoteca Comunitária e suas famílias, abordando temas como cidadania, descriminação, identidade cultural e liberdade de expressão", disse.

“O que eu mais gostei nesse projeto foi criar histórias e ver como elas são legais. Falando disso, eu até criei uma história em cordel que ficou muito boa, graças ao que eu conheci aqui. Eu aprendi de verdade a fazer rimas, aprendi muitas palavras e os seus significados. Por isso sou muito feliz por conhecer a Brinquedoteca”, disse Heliardo dos Santos Pinheiro, 12 anos, que compôs o Grupo Tamanduás.

Já a pequena Yasmim Alves do Santos, de 10 anos, participante do grupo Raposas relata que o que mais gostou no projeto foi aprender a rimar. "Aprendi que no cordel os versos têm sete sílabas e ajudei o meu grupo a montar uma história. Descobri que existe um ritmo chamado cacuriá, gostei muito de conhecer porque é uma dança do mesmo estado da minha mãe (Maranhão)”.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

O trabalho desenvolvido pela Ludocriarte está alinhado com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável Educação de Qualidade (ODS 4), que tem como uma de suas metas assegurar a educação inclusiva, igualitária equitativa e de qualidade, promovendo oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos.

 ods 4

 

Published in Série ODS

São 34 entidades classificadas, que deverão complementar as informações pedidas no regulamento até o dia 11 de abril

Foram divulgadas nesta terça-feira, 13, as 34 propostas selecionadas na Chamada Interna Voluntariado BB FBB. A seleção seguiu a ordem de classificação, de acordo com os critérios estabelecidos no anexo 7 e limitada ao orçamento de R$ 3 milhões.

InstitutoAnelo2

A partir desta quarta-feira, 14, as respectivas entidades receberão login e senha do SGP - Sistema de Gerenciamento de Projetos - para registro completo das propostas. Elas terão até 20 dias para complementar as informações e estão sujeitas à desclassificação se descumprirem o prazo estabelecido – até 23h59 de 11 de abril de 2018 (horário de Brasília). Nestes casos, a Fundação BB vai selecionar novas propostas de acordo com a ordem de classificação e os recursos financeiros da Chamada.

Em razão de instabilidades no portal da Receita Federal, as propostas foram reexaminadas, sendo validadas as entidades proponentes que se encontraram em situação regular em todos os quesitos da Chamada. Essas iniciativas integraram o conjunto de propostas validadas que passaram pelo processo de classificação.

Chamada Interna
Participam da seleção projetos sociais desenvolvidos por entidades sem fins lucrativos, que têm a atuação de voluntário e funcionário do Banco do Brasil. A seleção busca apoiar iniciativas que promovam a cidadania, geração de trabalho e renda, cuidado ambiental, educação, cultura, esporte e saúde. O investimento social de R$ 3 milhões é destinado a apoiar projetos com orçamentos entre R$ 50 mil e R$ 100 mil.

FBB Voluntariado Marca 02

Published in Notícias