Fruto da parceria entre a Fundação Banco do Brasil e IDIS, projeto recebeu investimento social de R$ 1 milhão para combater problemas de saneamento básico de duas mil famílias

Mais duas comunidades pertencentes ao município de Borba (AM) foram contempladas com iniciativas que vão contribuir para a melhoria da qualidade da água e das condições de saneamento básico. A ação integra projeto de reaplicação de tecnologias sociais no Amazonas e atenderá um total de cerca de duas mil famílias ribeirinhas.

Foi implementado na comunidade Espírito Santo a Tecnologia Social Sodis (sigla de Solar Water Disinfection) – Desinfecção da Água - um modelo eficaz e de baixo custo para a purificação da água, diminuindo assim a incidência de doenças. A implantação foi iniciada em maio em um espaço comunitário com a presença de cerca de cem moradores da comunidade.

A Sodis utiliza a radiação solar e o calor para destruir micro-organismos que causam doenças. Essa técnica é ideal para tratar pequenas quantidades de água e funciona de forma simples: a água, que não pode ser turva, é colocada em uma garrafa plástica transparente e deve ficar exposta ao sol durante seis horas. A luz do sol trata o conteúdo por meio de radiação e aumento de temperatura.

Já a comunidade Macajá, foi contemplada com o Banheiro Tecnológico Ribeirinho, uma inciativa simples e de baixo custo, que foi adaptada para áreas alagadas, que reduz a contaminação da água e do solo. A construção do primeiro banheiro, no dia 12 de maio, foi realizada com o apoio da Secretaria de Obras de Borba e com a presença dos moradores da comunidade que irão construir os outros 29 banheiros propostos pelo projeto. Por ser considerado eficiente e de baixo custo, essa solução está sendo levada para outras comunidades ribeirinhas.

“Ele foi desenhado de forma que o recipiente que recebe o composto orgânico fique acima do solo e seja fixo por hastes. Se na região houver um alagamento sazonal, a água não entra em contato com o dejeto e isso evita a contaminação”, explica João Rodrigues, gerente de parcerias estratégicas e modelagem de programa e projetos sociais da Fundação Banco do Brasil.

Além dessas duas tecnologias sociais, já está em andamento na região a reaplicação da HB: Tecnologia Social de Combate à Anemia Ferropriva, um método que ajuda na rápida identificação e tratamento da anemia ferropriva em alunos das escolas da rede pública de municípios brasileiros.

As três iniciativas fazem parte do projeto “Tecnologias Sociais no Amazonas, (TSA)”, uma parceria entre o IDIS e a Fundação Banco do Brasil, com o apoio da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) e a Universidade do Estado do Amazonas (UEA). O projeto tem como objetivo, reaplicar tecnologias sociais, para combater diversos problemas que atingem famílias ribeirinhas e rurais, com foco especial na primeira infância, com o investimento social de R$ 1 milhão.


A divulgação deste projeto contempla três
Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

01ods 100x100 03ods 100x100 06 ods100x100

 

Publicado em Notícias

Iniciativa já chegou a 1,7 mil famílias, a maior parte ribeirinhas, nos estados do Amazonas, Acre, Amapá e Pará

Uma tecnologia social desenvolvida no Amazonas permite o acesso a água potável e a banheiro dentro de casa para mais de 1,7 mil famílias extrativistas em comunidades no interior do próprio estado e também no Acre, Amapá e Pará. A iniciativa - “Sistema de Acesso à Água Pluvial para Consumo de Comunidades Extrativistas” - idealizada pela Associação dos Produtores Rurais de Carauari (Asproc), foi vencedora do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2015, na categoria "Comunidades Tradicionais, Agricultores Familiares e Assentados da Reforma Agrária". O projeto reduziu em 80 por cento a incidência de verminose nas crianças. Até o final de 2018, o sistema deverá atender 3.317 famílias, a maior parte ribeirinhas, em contratos de reaplicação da metodologia firmados com o Governo Federal.

Faça a inscrição para o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2017

A tecnologia consiste na instalação nos domicílios de um reservatório para captação de água de chuva com capacidade de mil litros e a construção de um banheiro com fossa que isola a dispersão do esgoto. O processo se completa com a implantação de um reservatório comunitário, o abastecimento de água do subsolo ou de um rio mais próximo, o tratamento recurso hídrico acumulado e a distribuição em rede comunitária em períodos de estiagem. As famílias participantes recebem capacitação para a construção dos reservatórios, o uso racional da água, e a adoção de práticas de higiene, saúde e preservação ambiental.

"A gente ouve das comunidades o quanto muda a vida das pessoas, que antes tinham que andar mais de 100 metros para pegar água, não podiam tomar um banho em privacidade, tendo que fazer as necessidades no mesmo espaço que galinhas e porcos", explicou o presidente associação, Manoel Cosme Siqueira. Com a tecnologia, as famílias passaram a ter água encanada e banheiro próprio, além de os dejetos terem descarte correto, evitando a contaminação do solo e de rios e igarapés.

De acordo com Siqueira, o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2015 foi um estímulo para vencer novos editais e ampliar o número de moradores atendidos pela metodologia. "O prêmio veio para agregar mais experiência e visibilidade à associação", afirmou.

Com a própria Fundação Banco do Brasil foram assinados dois convênios para a reaplicação de mais 74 unidades da tecnologia social para comunidades dos municípios de Manaus, Jutaí, e Fonte Boa, no Amazonas. O investimento social é de R$ 1,1 milhão, em convênio assinado com o Memorial Chico Mendes, entidade parceira da Asproc.

Política pública

A associação começou a implantação do sistema em 2009, nas comunidades do Médio Juruá, no Amazonas. Em 2014, a metodologia foi adotada como política pública pelo Governo Federal, em contrato com a organização não governamental Memorial Chico Mendes. Além do Amazonas, a reaplicação foi estendida para os estados do Acre, Amapá e Pará, com a colaboração de outras entidades parceiras.

Confira o manual da TS “Sistema de Acesso à Água Pluvial para Consumo de Comunidades Extrativistas”

A divulgação deste projeto contempla três Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

3  6  11

Publicado em Notícias