Portal   csa

A iniciativa foi certificada no Prêmio de Tecnologia Social 2017 e  recebe apoio da Fundação BB por meio de incentivo à produção sustentável nas bacias do Pipiripau e Descoberto


Ana Paula Moreira sempre se preocupou com a alimentação, mas depois do nascimento dos dois filhos - Pedro de 8 anos e Davi de 4 anos - vem adotando novos hábitos para oferecer alimentos saudáveis para sua família. Em setembro, a bancária passou a fazer parte da CSA - Comunidade que Sustenta a Agricultura, um modelo de agricultura que oferece vantagens para o homem e o meio ambiente e, que nos últimos anos, vem despertando grande interesse pelo desenvolvimento agrário e agricultura orgânica.

“Antes meus filhos não se interessavam em comer verduras, legumes e folhas. Depois que aderi à CSA passei a experimentar receitas novas e eles têm comido direitinho. Além de todos os benefícios que os alimentos orgânicos nos proporcionam, nós ainda temos a oportunidade de visitar a propriedade e conhecer de perto como é plantado e colhido o nosso alimento, e ainda, de trocar receitas com os demais colegas do grupo”, declarou.

Trazido pelo alemão Hermann Pohlmann, a CSA é uma prática que foi adotada no Brasil em 2011 por agricultores familiares do estado de São Paulo, que passaram a implementar o modelo. De acordo com a CSA Brasil, a iniciativa consiste na relação direta entre produtor e consumidor, criando uma relação próxima viabilizando a produção e a logística de distribuição de alimentos. Nesse tipo de parceria, agricultores e consumidores, chamados de coagricultores, dividem responsabilidades, riscos e benefícios da agricultura. Além disso, contam com a organização para vender seus produtos e financiamento de sua produção, colaborando para o desenvolvimento sustentável da região e estimulando o comércio justo.

Wagner dos Santos é presidente da CSA Brasil e faz parte da iniciativa desde o início, quando foi implementado em Botucatu (SP). Ele conta que sempre se interessou por alimentos sadios e buscou compreender o processo produtivo. “Quando vi a proposta de ter a sustentação de um organismo que trabalha com o cultivo de comida de verdade, sem o uso de produtos químicos e que se preocupa com o meio ambiente, quis participar”, disse.

Hoje no Brasil existem cerca de 100 CSA, sendo 24 delas localizadas no Distrito Federal. A Fundação Banco do Brasil certificou a iniciativa no Prêmio de Tecnologia Social 2017 e apoia as CSA por meio de de incentivo à produção sustentável nas bacias do Pipiripau e Descoberto, localizadas no DF. Os agricultores da região também contam com o projeto Produtor de Água do Pipiripau, uma articulação multi-institucional de dezesseis atores assinantes do Acordo de Cooperação, em uma parceria entre instituições e produtores rurais no desenvolvimento do trabalho. O projeto também promove a conscientização dos produtores rurais sobre a importância do uso adequado do meio ambiente, com boas práticas de produção agrícola e de planejamento do programa.

Thiago Kaisar e o irmão Diogo fazem parte do grupo. Na chácara “Pé na Terra”, eles apostam no sistema CSA e oferecem aos cotistas e clientes alimentos saudáveis. Na propriedade de 40 hectares, cultivam banana, mandioca, beterraba, jiló, berinjela, maracujá, milho crioulo e todo tipo de folhagem, tudo sem o uso de defensivos químicos, no sistema agroflorestal. Em 2016, passaram a fazer parte da rede de agricultores familiares e coagricultores que abastecem pontos estratégicos do Distrito Federal.

“O mais legal de fazer parte desse projeto é a oportunidade de levar para as pessoas mudanças não só na alimentação, mas também mudança regional, com evolução no campo da economia solidária, por meio do associativismo e troca de produtos. Procuramos plantar aquilo que os coagricultores gostam mais de comer e os produtos mais usados na dieta alimentar. Em breve, pretendemos também criar uma moeda social para que ela possa ser aceita no mercado e ajude a fortalecer a economia local”, disse, Diogo.

Como funciona a CSA:
Por meio de uma cota fixa mensal, os coagricultores recebem uma caixa semanal ou quinzenal de produtos agrícolas, como frutas, verduras, legumes, ovos, leite e o que mais estiver combinado com seu agricultor. Tudo de acordo com a estação e com a safra do período, respeitando os tempos da natureza e também do produtor. Agricultores recebem uma renda mais estável e segura, além de uma proximidade com a sua comunidade, enquanto os coagricultores (antigos consumidores) se beneficiam com alimentos frescos, saudáveis e sustentáveis.

Lembra da Ana Paula, citada no início da matéria? Ela é uma das coagricultoras da CSA dos irmãos Kaisar. Toda segunda-feira, a assessora da Fundação Banco do Brasil e outros 12 colegas de trabalho recebem as cestas com a produção. Para criar uma CSA ou se tornar um coagricultor acesse a página da CSA Brasil para obter mais informações.

A atuação da CSA está de acordo com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 15 - Vida Terrestre -, que propõe o aumento significativo nos recursos financeiros destinados à conservação e ao uso sustentável da biodiversidade e dos ecossistemas, inclusive para a conservação e o reflorestamento; e reforça o comprometimento global no combate à caça ilegal, ao tráfico de espécies protegidas e o empoderamento das comunidades.

Box ods 15

 

 

Publicado em Série ODS

Parceria entre a Fundação BB e o BNDES alcança a marca de 100 mil cisternas

Sem acesso a água é impossível garantir a dignidade humana. Há exatos sete anos o semiárido brasileiro, que abrange uma população de cerca de 23 milhões de pessoas, sofre com estiagem muito agravada com precipitações pluviométricas muito abaixo da média. Em algumas áreas do agreste, por exemplo, choveu apenas 30% do volume esperado.

Mesmo com essas difíceis condições, uma iniciativa tem permitido uma melhoria significativa na vida de milhares de pessoas. Trata-se da tecnologia social cisterna, que são reservatórios de captação e armazenamento de águas pluviais, que permitem a utilização da água durante o período de seca na região.

Política para o futuro

destaque

Nesta semana, duas notícias marcaram novos capítulos dessa história de transformação social. A primeira é o reconhecimento do programa de implementação de um milhão de cisternas, iniciada pelo Governo Federal em 2003, no Prêmio Internacional de Política para o Futuro (Future Policy Award). Foi anunciado que nesta terça-feira, que o programa ficou em segundo lugar entre 27 iniciativas de 18 países entre ações que contribuem para a proteção da vida e dos meios de subsistência nas terras secas e de combate a desertificação.

Fundação BB e BNDES: 100 mil cisternas

Nesta quarta-feira, 23, a Fundação Banco do Brasil e o BNDES anunciaram continuidade do investimento social para implementação de novas cisternas. Com o aporte será alcançada a marca de 100 mil cisternas instaladas. Serão mais R$ 22 milhões destinados à construção de 726 Cisternas de Produção e 3.579 Cisternas de Consumo. No histórico da parceria, os recursos atingirão o total de R$ 340 milhões, atendendo mais de 400 mil pessoas.

assinatura bndes 100mil

Os reservatórios para produção, também conhecidos como Cisternas Calçadão e de Enxurrada, são tecnologias sociais para captação e armazenamento de água pluvial destinada ao consumo de pequenos rebanhos e plantio de hortaliças. Já os voltados para consumo de água para beber, as Cisternas de Placas, atendem as necessidades básicas de moradores em suas residências.
Todas as cisternas construídas são georreferenciadas, o que garante a transparência na aplicação dos recursos. Durante a instalação, os moradores das comunidades são capacitados para construírem seus próprios reservatórios a fim de obterem maior aproveitamento da água potável. A identificação e mobilização dos beneficiados e a assessoria técnica para implementação são conduzidos pela rede Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA), que agrupa mais de três mil organizações da sociedade civil.

O presidente da Fundação BB, Asclepius Soares, reforça a importância da atuação da Fundação BB no vetor Água.

pepe100mil

 

marilene100mil

Tecnologia social leva água de beber, cozinhar e produzir alimentos para o semiárido, atendendo a mais de 400 mil brasileiros

 

A divulgação deste projeto contempla quatro Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

 01ods 100x100 02ods 100x100 03ods 100x100 06 ods100x100

Publicado em Notícias

As iniciativas serão avaliadas por comissão de funcionários da Fundação BB de acordo com critérios do regulamento

Encerrou-se nesta semana a primeira etapa da nona edição do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social. Foram inscritas ao todo 735 iniciativas da América Latina. A próxima fase da premiação é a análise das experiências inscritas, que serão avaliadas por uma comissão - composta por técnicos da Fundação BB - de acordo com os critérios do regulamento. As tecnologias certificadas serão divulgadas no dia 17 de julho e passarão a integrar o Banco de Tecnologias Sociais (BTS) da Fundação BB, que atualmente tem 850 iniciativas.

O BTS é uma base de dados online que reúne metodologias reconhecidas por promoverem a resolução de problemas comuns às diversas comunidades brasileiras. O objetivo do acervo é estimular que as tecnologias sejam reaplicadas em outras comunidades.

Após a certificação, as iniciativas serão classificadas para a premiação. Serão 21 finalistas - três por categoria – que vão receber um troféu e um vídeo documentário da metodologia. Além disso, as entidades serão convidadas a participar do Fórum Internacional de Tecnologia Social, a ser realizado em Brasília (DF), em novembro deste ano.

As categorias voltadas para experiências no Brasil são "Água e Meio Ambiente"; "Agroecologia"; "Economia Solidária"; "Educação"; "Saúde e Bem-Estar" e "Cidades Sustentáveis e Inovação Digital". As vencedoras nacionais vão receber R$ 50 mil. Já as iniciativas da América Latina e do Caribe vão concorrer na categoria "Água e Meio Ambiente, Agroecologia ou Cidades Sustentáveis". A divulgação das finalistas será no dia 31 de julho. Já as vencedoras serão conhecidas na cerimônia de premiação, em novembro, em Brasília.

As categorias do Prêmio estão relacionadas aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Ao longo do processo de análise, serão bonificadas tecnologias sociais que promoverem o protagonismo e o empoderamento feminino, que terão pontuação acrescida de cinco por cento. 

Realizado a cada dois anos, o Prêmio é considerado um dos principais do terceiro setor no País. Esta edição, tem a cooperação da UNESCO no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Acompanhe os resultados de cada etapa do Prêmio no site da Fundação Banco do Brasil (www.fbb.org.br) e no BTS (www.tecnologiasocial.fbb.org.br).

Veja o regulamento no site: www.fbb.org.br/premio

A divulgação deste prêmio contempla todos os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

01ods 100x100 02ods 100x100 03ods 100x100 04ods 100x100 05ods 100x100 06 ods100x100 07ods 100x100 08ods 100x100 09ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100 012ods 100x100 013ods 100x100 014ods 100x100 015ods 100x100 016ods 100x100 017ods 100x100

Publicado em Notícias

Fundação BB e entidades do terceiro trocam ideias sobre voltadas para desenvolvimento sustentável

A Fundação Banco do Brasil participou do seminário “Diálogos do setor de Investimento Social Privado e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Brasil”, realizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) dia 31 de maio, em São Paulo. O encontro reuniu uma série de institutos e fundações, além de pesquisadores e representantes de governos e organismos internacionais, para discutir estratégias de alinhamento entre o investimento social e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A iniciativa teve como recurso indutor a Plataforma Filantropia, um esforço global que oferece dados sobre a atuação dos investidores sociais nos ODS e busca alavancar recursos e aumentar o impacto de programas e projetos, direcionando os ODS a um planejamento de desenvolvimento nacional. Além do diálogo sobre desafios comuns, o evento foi um convite para que empresas, institutos e fundações façam parte do movimento.

Além da Fundação BB, outras organizações nacionais e internacionais foram parceiras na realização do evento: Rockefeller Philanthropy Advisory, Foundation Center, Instituto C&A, Itaú Cultural, Itaú, Fundação Roberto Marinho, Rede Globo, Instituto Sabin, GIFE, IDIS, WINGS e Comunitas.

A agenda do encontro se organizou, basicamente, em duas frentes: discussões sobre o papel de institutos e fundações familiares e do investimento social de perfil corporativo. Representantes de empresas, institutos e fundações levaram suas experiências no uso dos ODS em seus planejamentos e apontaram desafios e oportunidades de atuação.

"Os ODS têm sido norteadores para ações da Fundação BB e de muitas organizações do terceiro setor. Um evento como esse ajuda a aprofundar a reflexão e a troca de ideias sobre as possibilidades de pautar novas ações para o desenvolvimento sustentável", afirma o assessor da Fundação BB Bruno Moraes.

Para saber mais sobre a Plataforma de Filantropia, acesse sdgfunders.org

A divulgação deste texto contempla todos os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

01ods 100x100 02ods 100x100 03ods 100x100 04ods 100x100 05ods 100x100 06 ods100x100 07ods 100x100 08ods 100x100 09ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100 012ods 100x100 013ods 100x100 014ods 100x100 015ods 100x100 016ods 100x100 017ods 100x100


Publicado em Notícias