Displaying items by tag: Tecnologias Sociais

Mulheres tem sido protagonistas na criação de tecnologias sociais e reconhecidas pela Fundação BB por gerarem transformação social

No dia Internacional da Mulher, a Fundação Banco do Brasil dá visibilidade as mulheres do Brasil e destaca três iniciativas incríveis em que elas são as principais protagonistas.

A partir da oitava edição do Prêmio Fundação Banco do Brasil do Brasil de Tecnologia Social, realizado em 2015, a Fundação incluiu uma categoria dedicada às a mulheres, com o objetivo de exaltar as iniciativas de protagonismo e o empoderamento feminino. E entre as muitas ações apresentadas nas duas últimas edições destacaram-se às tecnologias sociais “Água Viva: Mulheres e o redesenho da vida no semiárido”, da cidade de Mossoró (RN), vencedora em 2015; a “Rede Bodega de Comercialização Solidária”, de Fortaleza (CE), vencedora em 2017, e a “Arte na Palha Crioula”, da cidade de Guapiara (SP), finalista em 2017.

A metodologia “Água Viva: Mulheres e o redesenho da vida no semiárido” consiste no reaproveitamento da água utilizada nas atividades domésticas para a irrigação de frutas e hortaliças agroecológicas. A ideia nasceu de um grupo de mulheres do assentamento Monte Alegre, devido às constantes estiagens na região. O sistema gerou uma mudança significativa na vida, produção, auto-organização e na autonomia das mulheres.

Passados quase quatro anos em que foi vencedor do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2015, o projeto segue no caminho proposto, o do reuso da água nos quintais produtivos, uma alternativa que gera vida e renda para as famílias. A iniciativa foi desenvolvida em 2013 pelo Centro Feminista 8 de Março (CF8), em parceria com a Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa) e financiamento da União Europeia.

“A tecnologia segue sendo utilizada pelas mulheres em seus quintais produtivos. Em 2018 tivemos um projeto aprovado pelo CNPq e agora, em 2019, ele será implantado. Nesse projeto novas pesquisas e ajustes podem surgir na tecnologia Água Viva”, destacou Ivi Aliana Dantas, umas das coordenadoras do CF8. Ela também acrescentou que, ao longo desses anos, as beneficiárias estiveram em diversos espaços no Rio Grande do Norte e fora do estado, compartilhando suas experiências com a tecnologia de reuso de água. “Outra grande conquista é o fato das próprias mulheres apresentarem a experiência e seus aprendizados, superando o medo e a vergonha da fala em espaços públicos. Realizamos, ainda, o encontro Mulheres do Semiárido e a Construção de Tecnologias Sociais. Foi um espaço muito valioso onde as mulheres de todos os estados do semiárido puderam conhecer e trocar experiências em tecnologias sociais”, disse.

No estado do Ceará, a Rede Bodega é o símbolo de luta e trabalho das mulheres. As Bodegas são espaços coletivos e solidários de divulgação e comercialização de produtos - alimentos, roupas e livros, por exemplo - frutos do trabalho de mulheres e homens do campo e da cidade.

Articulada pela Rede Cáritas, a partir de demanda de grupos organizados em cooperativas e associações, a tecnologia social "Rede Bodega de Comercialização Solidária” está presente em Fortaleza, Sobral, Viçosa do Ceará, Aracati e Maranguape.

“Trabalhamos para fortalecer e ampliar a Rede e aumentar os grupos. Após o Prêmio da Fundação Banco do Brasil, os espaços físicos receberam melhorias. O dinheiro da premiação ajudou nas reformas das bodegas que já existiam. Ainda temos as dificuldades da luta, da crise, mas uma coisa que é fundamental é que a Rede se mantém firme, uma bodega ajudando a outra, e essa união nos mantém vivas, declarou, Luciana Eugênio, articuladora da Rede. Luciana explica, ainda, que figura feminina é a mais presente nos empreendimentos. A Rede também se envolve em outras lutas em benefício das mulheres, como a questão do feminicídio. “A cada ano, mais mulheres morrem e isto tem estado muito presente em nossas ações enquanto movimento da economia solidária. Além disso, a rede tem se aproximado mais dos territórios, não só na área da comercialização, mas no todo, no pensar das pessoas como o centro da vida humana”, disse.

Do interior de São Paulo, mais precisamente do município de Guapiara, apresentamos a tecnologia social “Arte na Palha Crioula: Banco de Milhos Crioulos”, que traz na palha do milho, que normalmente é descartada, o grande segredo de sucesso de um grupo de mulheres. O trabalho totalmente artesanal é realizado com o auxílio de uma agulha de arame, que também é confeccionada pelas artesãs. Naturalmente colorida em tons de vermelho e roxo, a palha do milho é usada na produção de peças decorativas e utilitárias de alta qualidade. As palhas menores são usadas na produção de flores de variados modelos e tamanhos e as mais largas na produção de bonecas. Na lista de produtos, há também cestarias, vasos, santos, galinhas, jogos americanos, petecas, bolsas, chapéus e revestimento para móveis.

A iniciativa da Associação Arte e Vida de Mulheres Artesãs foi uma das finalistas do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social, na Categoria Agroecologia. Nascida na roça, a idealizadora da tecnologia, Alice de Oliveira Almeida viu no oficio que aprendeu com o pai, uma forma de valorizar o artesanato local e de diversificar as atividades de geração de renda para as mulheres da região. Em 2005, Alice foi convidada pela prefeitura local para ministrar a arte do trançado para um grupo de mulheres e não parou mais.

“Passei para as mulheres as técnicas que aprendi em casa e hoje colhemos do fruto do nosso trabalho. Essa arte ajuda no fortalecimento das mulheres e na continuidade das sementes crioulas”, concluiu

Reconhecimento da luta das mulheres
A Fundação Banco do Brasil, por meio do Projeto Memória, reconheceu o protagonismo e a luta da educadora Nísia Floresta, no ano de 2006, e da filosofa e militante negra Lélia Gonzalez, em 2015. Nísia Floresta nasceu em 1810 na cidade de Papari (RN) e ficou conhecida pela defesa de igualdade de educação para mulheres além de denunciar a violência que as mulheres sofriam por não terem oportunidade de atuarem na vida pública durante o século XIX.

Lélia Gonzalez nasceu em 1935 em Belo Horizonte (MG) e teve uma grande contribuição nos estudos de gênero e raça no Brasil, com destaque para a vida das mulheres negras.Fundadora do Movimento Negro Unificado, Lélia teve uma atuação importante nos movimentos sociais negros e feministas. Segundo a filósofa Sueli Carneiro: “Lélia enegreceu o movimento feminista e feminizou a raça”.

Nísia Floresta1 Lelia Gonzalez

 

Published in Notícias

Trabalho envolve plantio de mudas nativas em sistema de agrofloresta e educação ambiental

A região do Médio Paraíba do Sul, no Estado do Rio de Janeiro, abriga a Ong Vale Verdejante, entidade que realiza um importante trabalho de recuperação de áreas degradadas da Mata Atlântica, com práticas ambientais de conservação do bioma e sensibilização junto à população. Em 12 anos de existência, a ONG promoveu o plantio de 5 mil mudas nativas de pau brasil, pau jacaré, pau formiga, pau ferro, grumichama, pitangueiras, cedro rosa, jequitibá, tamboril, guapuruvu e juçara, entre outras espécies.

As tecnologias sociais são aliadas no trabalho de manter, enriquecer e dar continuidade ao reflorestamento, garantindo o sucesso do projeto. A ONG buscou no Banco de Tecnologias Sociais (BTS) da Fundação Banco do Brasil três metodologias certificadas - Acordos Sustentáveis, para mapeamento e uso dos recursos naturais; Agrofloresta, que une o plantio com a preservação da floresta; e Meliponários Demonstrativos, para criação de abelhas sem ferrão, que contribuem para o reflorestamento por meio da polinização. O trabalho é desenvolvido por meio da convivência harmoniosa de várias atividades - cultivo de horta, galinheiro e meliponário.

Em 2017, a Vale Verdejante foi contemplada com o primeiro projeto da Fundação BB, no valor de R$ 60 mil. O recurso foi usado na promoção da educação ambiental, desenvolvimento de práticas agroecológicas e introdução à economia solidária para crianças, jovens e mulheres. Em setembro deste ano, foi assinado novo convênio, referente ao projeto "Reflorestamento e Educação - Integração Urbana-Rural com Inclusão Social", em parceria com o Projeto Pão de Açúcar Verde, para promover a recuperação ambiental, o enriquecimento florestal, e a integração entre as populações urbana e rural. As ações da parceria abrangeram a face leste do morro do Pão de Açúcar, que irá receber mil árvores durante a execução do projeto. Os dois investimentos sociais foram obtidos por meio do Programa Voluntariado BB-FBB. A Vale Verdejante também oferece cursos e capacitações em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), em especial para os jovens.

Em novembro, a Vale Verdejante reuniu 170 pessoas – moradores e voluntários - para um dia de mutirão. Durante a programação, foram plantadas 500 árvores do Bioma Mata Atlântica; houve a construção de canteiro agroflorestal, com mudas de hortaliças diversas; e oficina para inclusão social de pessoas com deficiência, além de apresentações culturais e almoço coletivo.

Trabalho que cura
A Ong Vale Verdejante foi fundada por Denise Thomé, após a morte do marido no voo 1907 da Gol, derrubado pelo jato Legacy numa área de floresta no Mato Grosso, em 2006. Em pouco tempo, Denise conseguiu transformar a dor em força para concretizar um projeto de reflorestamento sonhado pelo casal e pela comunidade. Dois meses após a partida do seu companheiro por 24 anos, ela plantou as primeiras mudas.

O recurso para a compra do Parque Ecológico Mauro Romano, de 30 mil metros quadrados, que abriga a ONG, veio da indenização que recebeu da companhia aérea. “Era um sonho nosso de ajudar os trabalhadores dos sítios da região. Pensávamos em fazer isso com a venda de mudas das plantas, a partir das podas. Após o acontecido decidi lutar para tirar o foco da dor e revertê-la em um processo construtivo. Isso ajudou a todos nós, familiares e amigos”, disse.

Este ano, a ONG recebeu o título de Posto Avançado da Reserva Biosfera Mata Atlântica, concedido pela Unesco a instituições que desenvolvem pelo menos duas das três funções básicas de uma reserva nos campos da proteção da biodiversidade, do desenvolvimento sustentável e do conhecimento científico e tradicional sobre a Mata Atlântica.

“Temos um grupo muito ativo aqui e no Pão de Açúcar, com pessoas dispostas a doarem seu tempo em prol do meio ambiente. Nos últimos anos as novas gerações também vêm se integrando mais ao trabalho coletivo , declarou Denise.

Published in Notícias

Na Etapa II, as habilitadas devem apresentar documentos; certame seleciona entidades para reaplicar metodologias com foco na geração de renda

Os nomes das entidades selecionadas na etapa Etapa I para receber os recursos da Fundação Banco do Brasil e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já estão disponíveis.

Com investimento social de R$ 10 milhões, o edital tem como objetivo a seleção de projetos de reaplicação de tecnologias sociais com foco em geração de trabalho e renda em qualquer parte do País.

Nesta fase foi selecionado o primeiro lugar de cada uma das cinco regiões do País, de acordo com a pontuação, definindo os cinco primeiro projetos. As demais habilitadas obedeceram a ordem de classificação geral obtida até o total de recursos financeiros não reembolsáveis, contemplando 11 projetos. Na lista das entidades com maior pontuação estão duas de Pernambuco, uma do Pará, uma do Paraná, uma de Goiás, uma de São Paulo, uma do Rio Grande do Norte, uma do Amazonas, uma do Ceará, uma da Paraíba e uma do Rio Grande do Sul.

Para fazer a reaplicação, as entidades devem escolher, necessariamente, iniciativas listadas no Banco de Tecnologias Sociais, acervo online que reúne todas as metodologias certificadas pela Fundação BB, desde 2001. As entidades com diretorias compostas por, no mínimo, 50% de mulheres ou que possuam tecnologia certificada pela Fundação BB recebem bonificação extra, conforme os critérios do edital.

As contempladas passam agora a atender a Etapa II em que devem apresentar a a documentação prevista no item 11.2 do edital.

Conheça as selecionadas aqui

Published in Notícias
Thursday, 18 October 2018 09:06

Alimentação saudável e boa convivência

Com a implantação de 40 canteiros, as famílias residentes no conjunto habitacional já colhem verduras em abundância

Em 2017, os cerca de 6 mil moradores dos conjuntos habitacionais Veneza I e II, que fica na cidade de Balsas (MA), foram contemplados no projeto Moradia Urbana com Tecnologia Social (MUTS) , promovido pela Fundação Banco do Brasil (FBB). Em um primeiro momento, os moradores das mais de mil moradias do residencial receberam a tecnologia social Transformando realidades por meio da mobilização e organização comunitária, que buscou promover a cidadania, os laços entre os moradores e a organização coletiva para buscarem soluções dos problemas no condomínio.

A ação resultou em ganhos tão positivos para a comunidade que, com o apoio recebido, foi possível investir em uma alimentação mais saudável e na comercialização do excedente da produção. A Produção Agroecológica em Meio Urbano – Horta Urbana foi a segunda tecnologia social escolhida pelos moradores das mais de mil moradias do residencial. E o resultado é ainda melhor.

A Associação de Apoio ao Desenvolvimento Social Sustentável – Mandacaru foi a entidade responsável pela reaplicação das iniciativas na região de Balsas. De acordo com Carlos Augusto Rodrigues, diretor da Mandacaru, todo trabalho de viabilização da horta foi feito em sistema de mutirão – cercamento da área, que tem 6,5 mil², plantio das culturas (implantação da horta) e construção do viveiro de mudas. Para essa etapa, os moradores contaram com a colaboração da prefeitura local, que cedeu um trator para os serviços de roçagem (limpeza) e gradeamento (descompactação da terra da área).

Após quatro meses da implantação dos 40 canteiros, as famílias residentes já colhem verduras em abundância. Lucilene Barros Leal é moradora do Veneza II e faz parte do projeto desde a concepção. Mãe de três filhos, ela vive com uma renda pequena e conta que, apesar de sentir muitas dores no corpo, consegue participar na mobilização dos moradores. “Como sou falante, bem conhecida aqui no condomínio e não consigo trabalhar no sol e tarefas pesadas, fico na parte de mobilização e de organização. O projeto vem transformando a vida e o dia a dia de todos por aqui. Os canteiros já fornecem verduras em grande quantidade, principalmente folhagens. No início, as pessoas não acreditavam que daria tão certo e hoje não estamos dando conta de todas as pessoas interessadas, tem fila de espera para participar”, declarou.

Engenheiro agrônomo do projeto, Givanildo Silva, esclarece que toda produção é orgânica, com adubação natural, sem defensivos químicos. “O projeto, além de ajudar a melhorar a questão nutricional, tirou muita gente da ociosidade, trouxe mais entrosamento entre as famílias, porque muitas delas nem se conheciam e hoje convivem em harmonia, sem contar que tem morador que consegue tirar R$ 120,00 mensais com a venda do excedente”, disse.

Com o MUTS, também foi elaborado um regimento de convivência da horta e estatuto para formalização da associação comunitária, que será registrado em breve, por meio da assessoria da Mandacaru e do engenheiro agrônomo contratado. Além disso, foram formalizadas demandas junto ao poder público local para resolução de problemas, como por exemplo, o mau cheiro da estação de tratamento de resíduos, a constante falta de água e a coleta de lixo.

Mas você sabe o que é o MUTS?
O MUTS foi criado para mobilizar moradores por meio da convivência social e da reaplicação de tecnologias sociais em empreendimentos de baixa renda, permitindo o protagonismo social e a geração de renda. É voltado para população com renda familiar de até R$1,8 mil mensais que vivem em residenciais financiados pelo Banco do Brasil. O projeto hoje contempla 124 empreendimentos em 84 municípios, distribuídos em 22 estados, num total de 83.284 Unidades Habitacionais (U.H), atingindo cerca de 330.000 pessoas. Em junho desse ano, esse projeto promovido pela FBB foi premiado no concurso “Práticas Inspiradoras, a Vivência no Centro da Nova Agenda Urbana”, promovido pelo Fórum Latinoamericano e Caribeño de Habitação, realizado na República Dominicana.

 

Published in Notícias

Pelo resultado preliminar, 150 entidades foram pré-selecionadas para a próxima etapa

A Fundação Banco do Brasil e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgaram nesta quarta-feira, 03, a relação das entidades habilitadas na etapa I do Edital de Tecnologia Social, que seleciona projetos de reaplicação de tecnologias sociais com foco em geração de trabalho e renda em qualquer parte do País.

Ao todo foram habilitadas 150 entidades das cinco regiões do país - 13 na Centro-Oeste, 9 na Norte, 59 na Nordeste, 28 na Sul e 41 na Sudeste. A próxima etapa será eliminatória, que consiste na análise dos orçamentos e da documentação exigida. O prazo para apresentação de recursos será de cinco dias úteis, até as 18 horas, horário de Brasília (DF), contados a partir de 4 de outubro de 2018.

O investimento total na seleção é de R$ 10 milhões, e cada proposta concorrente deve ter valor mínimo de R$ 500 mil e máximo de R$ 1 milhão. Para concorrer, as entidades sem fins lucrativos precisaram comprovar ter mais de dois anos de existência e sede ou experiência de atuação na região onde pretendem implantar o projeto. Além disso, a reaplicação deve ser necessariamente de iniciativas listadas no Banco de Tecnologias Sociais, acervo online que reúne todas as metodologias certificadas pela Fundação BB, desde 2001.

As entidades com diretorias compostas por, no mínimo, 50% de mulheres ou que possuam tecnologia certificada pela Fundação BB recebem bonificação extra, conforme os critérios do edital.

Confira aqui a relação das habilitadas.

Conheça o edital .

Published in Notícias

 Portal large DiálogosTransformadores

Evento transmitido pela TV Folha fará parte de minidocumentário no canal “Diálogos Transformadores”

Representantes da ONU, governo federal e do terceiro setor estiveram reunidos nesta quarta-feira (23) para debater as transformações promovidas pelas tecnologias sociais no Brasil. Sob o tema Diálogos Transformadores: soluções que mudam realidades, o evento também contou com a participação de empreendedores sociais que já desenvolvem projetos reconhecidos no país, como o Fast Food da Política, Grupo nÓs, Coletivo Reciclagem e Saladorama. O conteúdo do debate servirá como matéria-prima do minidocumentário no canal Diálogos Transformadores. O encontro foi organizado pela Folha de S. Paulo e contou com o patrocínio da Fundação Banco do Brasil. Veja alguns destaques:

Portal   BOX 1

Portal   BOX 2

Portal   BOX 3

Portal   BOX 4

Com a palavra: metodologias que já transformam realidades

Representando a tecnologia social Fast Food da Política, Júlia Carvalho, explicou que a iniciativa tem o propósito de ensinar conceitos ligados ao funcionamento do estado, gestão pública e cidadania de forma lúdica. “O jogo é uma ferramenta que propõe a construção da democracia de um jeito plural. Planejamos uma atividade na qual os participantes escolhem políticas públicas que atendam diferentes setores da sociedade”, comentou. A Fast Food da Política foi a vencedora do Prêmio de Tecnologias Sociais, da Fundação BB em 2017.

Cláudia Vidigal, idealizadora do Instituto Fazendo História e da tecnologia social Grupo nÓs: trabalho de preparação para a vida autônoma, relatou que o Instituto está em busca constante da troca de experiências com entidades de outras localidades e países. “Tudo o que se faz é do mundo. Nosso jeito: o que a gente faz é do mundo”, afirmou. A iniciativa foi uma das finalistas do Prêmio de Tecnologia Social, da Fundação BB, em 2017.

Roberto Rocha, integrante do Movimento Nacional dos Coletores de Recicláveis (MNCR), da Associação Nacional dos Carroceiros e Catadores de Recicláveis (ANCAT) e do Coletivo Reciclagem, disse que há o entendimento de que o melhor coletor das garrafas é o catador, que realiza um serviço para a sociedade. "Hoje somos um milhão de catadores no Brasil. Trabalhamos com o que para a sociedade é lixo e pra gente é matéria prima”, afirmou. O Coletivo Reciclagem é uma tecnologia social articulada em parceria com o Instituto Coca-Cola e Ambev e foi certificada pela Fundação BB em 2015, quando ficou entre as finalistas, na categoria Tecnologias Sociais para o Meio Urbano.

Hamilton da Silva, do Saladorama, foi vencedor da categoria Escolha do Leitor do Prêmio Empreendedor Social 2017 por levar comida saudável para as favelas de São Paulo. Hamilton reconheceu que apesar do começo difícil teve muitas portas abertas. “O que vem acontecendo muito no meio social é que muita gente vai com muita sede ao pote. A gente passou a pedir apoio e consultoria, e não somente dinheiro”, afirmou .

Plateia atuante no debate

Empreendedores das rede Folha e Ashoka, líderes de iniciativas e negócios sociais, corporativo e poder público foram convidados para assistir ao evento no auditório da Folha de São Paulo. Regina Amuri Varga era uma delas. Ela é coordenadora de uma casa de apoio que atende crianças cardíacas e transplantadas do coração. Para ela o debate foi interessante pois abordou um olhar multifacetado entre diversas realidades. "Você tem que olhar além do problema que você vivencia, ou seja, através de diferentes experiencias. Estou gostando muito", aprovou a convidada.

 

Conheça as tecnologias sociais convidadas

Portal   BOX DiálogosTransformadores

 

Assista aqui : Diálogos Transformadores na íntegra: 

 

A realização deste projeto contempla todos os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

01ods 100x100 02ods 100x100 03ods 100x100 04ods 100x100 05ods 100x100 06 ods100x100 07ods 100x100 08ods 100x100 09ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100 012ods 100x100 013ods 100x100 014ods 100x100 015ods 100x100 016ods 100x100 017ods 100x100

 

 

 

Published in Notícias
Monday, 07 May 2018 09:03

Ler faz toda a diferença

Tecnologia social cria biblioteca comunitária em residencial popular no Ceará

Uma tecnologia social tem mudado o hábito dos moradores do Residencial Nova Caiçara (Orgulho Tropical), da cidade de Sobral (CE), e motivado as pessoas a se entregarem a um bom livro. Trata-se da ação “Criação de Bibliotecas Comunitárias Vaga Lume”, reaplicada pela Fundação Banco do Brasil em residenciais populares com o objetivo de promover intercâmbios culturais por meio da leitura, escrita e oralidade. O projeto ainda mobiliza a comunidade para a transformação de sua realidade.

18556488 1503432519688831 7266574237571518317 o copia

Na primeira etapa, iniciada no final de abril, 23 residentes do Nova Caiçara foram capacitados como mediadores de leitura. Além disso, um espaço foi adaptado com biblioteca com estantes, 600 livros – infantis, de poemas, paradidáticos e de leitura jovem - e esteiras de palhas - artesanato típico da região - para acomodar os leitores. Também serão desenvolvidas atividades lúdicas e interativas como dramatização, saraus e jogos didáticos.

Inaugurado em 2014, o conjunto habitacional tem 3.682 apartamentos onde vivem 20 mil pessoas. Francisco Barbosa de Sousa foi um dos primeiros moradores a se mudar para o residencial e se tornou líder da associação do local. “Nosso condomínio é muito grande e não oferece atividades aos jovens. E se você encontrar alguém querendo proporcionar uma leitura, não é bom? Estamos todos muito felizes com o projeto, e os pais ainda mais porque acreditam que a leitura vai desviar os filhos do mau caminho”, declarou.

A tecnologia social Criação de Bibliotecas Comunitárias Vaga Lume, faz parte do projeto "Moradia Urbana com Tecnologias Sociais (MUTS)”, da Fundação Banco do Brasil, que selecionou, por meio de edital, entidades interessadas em reaplicar tecnologias sociais em empreendimentos imobiliários populares, com renda familiar até R$1.800. No projeto de Sobral, o investimento social foi de R$ 107 mil, com execução da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel), em parceria com a Associação Vaga Lume.

Wagner Gomes, diretor de negócios da Agência de Desenvolvimento Local (Adel) disse que foi uma experiência rica porque percebeu boa receptividade junto a associação de moradores. “A interação entre a Vaga Lume, a Fundação e a Adel, que são os parceiros do projeto, foi muito boa para alcançarmos os resultados almejados”, declarou. A biblioteca comunitária foi a tecnologia social que despertou maior interessante por parte dos moradores. As assembleias realizadas junto aos moradores tiveram boa representatividade com uma média de 500 participantes em cada reunião. “Eles ficaram conscientes que são atores centrais neste processo, mesmo porque darão prosseguimento na manutenção dos espaços de leitura”, comentou. Há um elemento importante neste processo que é o mediador de leitura que trabalha de forma voluntária junto às crianças e adolescentes fazendo rodas de leituras nas quadras dos condomínios.

Outros três municípios brasileiros também receberam a metodologia Criação de Bibliotecas Comunitárias Vaga Lume: Cruz das Almas (BA), Pedreira (SP) e Paraíso do Tocantins (TO). Desde 2015, 55 residenciais populares que contam com financiamento do Banco do Brasil em todo o país iniciaram o Projeto Moradia Urbana com Tecnologia Social (MUTS). Em cada empreendimento onde é implantado o projeto, os moradores passam por uma metodologia de mobilização e organização comunitária, chamada “Transformando Realidades por meio da Mobilização e Organização Comunitária” e participam de oficinas de educação financeira e outras capacitações. A partir de então, eles escolhem uma tecnologia social entre quatro opções possíveis: “Bibliotecas Comunitárias Vaga Lume”; “Gestão Comunitária de Resíduos Orgânicos e Agricultura Urbana - Revolução dos Baldinhos”; “Redecriar – Joias Sustentáveis na Ilha das Flores” e “Produção Agroecológica de Alimentos em Meio Urbano”.

A divulgação deste projeto contempla os seguintes Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030:

04ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100

Published in Notícias

Parceria da Fundação BB e IDIS completa um ano de reaplicação de tecnologias sociais

No início de 2017, a Fundação Banco do Brasil e o Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – IDIS se uniram para minimizar problemas relacionados às áreas de saneamento básico, tratamento de água e saúde de famílias ribeirinhas nos municípios de Borba, Nova Olinda e Itacoatiara, no Amazonas. Após um ano de atuação, o projeto “Tecnologias Sociais no Amazonas” já apresenta resultados surpreendentes na melhoria das condições de vida das pessoas atendidas.

Os principais problemas identificados na região são a falta de saneamento básico adequado e de água potável. Apesar da abundância de recursos hídricos, a água disponível é imprópria ao consumo, e é uma das causas apontadas para os altos índices de diarreia e doenças correlacionadas nas localidades. Como solução - eficaz e de baixo custo - foi escolhida a iniciativa Sodis – Desinfecção Solar da Água, um purificador de água por meio da luz solar.

A iniciativa já beneficiou 1.900 pessoas. O método destrói os micro-organismos causadores de doenças e funciona de forma simples: a água é colocada em uma garrafa plástica transparente ou de vidro e deve ficar exposta ao sol durante seis horas. A luz solar trata o conteúdo por meio de radiação e aumento de temperatura.

Cerca de 380 pessoas já foram capacitadas para implantar a técnica: 50 moradores de comunidades de Borba, 135 em Nova Olinda e 195 em Itacoatiara. Além da Sodis, o projeto reaplicou outras duas metodologias do Banco de Tecnologias Sociais (BTS) da Fundação BB - a HB: Combate à Anemia Ferropriva e o Banheiro Ecológico Ribeirinho. O investimento social é de R$ 1 milhão e atende cerca de 2 mil famílias. Também apoiam a iniciativa a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) e a Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

A reaplicação da tecnologia HB: Combate à Anemia Ferropriva  teve como finalidade o combate à anemia por carência de ferro em alunos de escolas públicas. A ação resultou na diminuição da incidência em crianças de 36% para 2,8% – abaixo do índice aceitável estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que é de até 5%. Com um aparelho portátil, é realizado o diagnóstico da deficiência de ferro. As informações detectadas são transcritas para um aplicativo, que calcula a suplementação necessária de sulfato ferroso e ingestão de vermífugos.

Em Borba, 60% das crianças foram diagnosticadas com anemia, retrato dos problemas relacionados à indisponibilidade de água tratada e de saneamento básico. Mírian, moradora da comunidade de Axinim, está muito satisfeita com a melhora da saúde do filho, após tratamento e acompanhamento recebido para cura da anemia. Confira o depoimento da mãe no vídeo abaixo. 



O Banheiro Ecológico Ribeirinho consiste em um pequeno cômodo de madeira, equipado com um vaso sanitário e uma estrutura impermeável para a coleta de dejetos. Foram contempladas comunidades compostas por casas suspensas, que tiveram a instalação da estrutura acima do nível do chão para evitar a contaminação de cursos de água superficiais e subterrâneos. Até agora, estima-se que 300 pessoas já foram atendidas.

Sobre o BTS – É uma base de dados que reúne as metodologias reconhecidas pelo Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social. Atualmente, a plataforma online conta com cerca de 1 mil iniciativas disponíveis.

Published in Notícias
Friday, 16 March 2018 12:43

Compartilhar Água para preservar o futuro

A Fundação Banco do Brasil e o Banco do Brasil participam do evento apresentando o Banco de Tecnologias Sociais - BTS, em especial as tecnologias sociais de recursos hídricos

O que podemos fazer sem água? Nada! Sem acesso à água é impossível garantir a dignidade humana. Estimativas pessimistas relatam que, se não houver uma mudança sistêmica na gestão da água, haverá em breve uma nova crise de refugiados, onde milhões de pessoas migrarão em busca de recursos hídricos – cada vez mais escassos - para atividades básicas do cotidiano.
 
Em meio a esta perspectiva, Brasília sediará entres os dias 18 e 23 de março, o 8º Fórum Mundial da Água. É a primeira vez que a sede do evento é localizada no hemisfério sul. Já estão confirmadas a presença de dez chefes de estado e representantes de 150 países para os fóruns de discussão. A expectativa é de mais de 40 mil pessoas visitem os espaços do evento, divididos no Estádio Nacional Mané Garrincha e o Centro de Convenções no centro da capital federal.
 
A Fundação Banco do Brasil e o Banco do Brasil participam do evento na Feira, um espaço aberto ao público e de acesso gratuito, que será no Estádio Nacional Mané Garrincha. Um dos temas de atuação da Fundação BB é justamente a Água, com destaque para a reaplicação das cisternas de placas no semiárido brasileiro. Desde 2012, a Fundação Banco do Brasil em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e entidades parceiras já investiu R$ 340 milhões na construção de mais de 100 mil cisternas, beneficiando 400 mil famílias na convivência com as condições extremas da seca.

A programação abrange mais de 300 debates e sessões paralelas sobre o uso dos recursos hídricos e experiências de gestão sustentável da água. O tema deste ano é "Compartilhando Água" e tem como finalidade estabelecer compromissos políticos, incentivando o uso racional, a conservação, a proteção, o planejamento e a gestão da água em todos os setores da sociedade.
 
O primeiro Fórum Mundial da Água foi realizado em 1997, em Marrakesh, no Marrocos. A partir de então, ocorre a cada 3 anos em um país diferente. Já foram sede as cidades de Haia (Holanda, 2000), Kyoto (Japão, 2003), Cidade do México (México, 2006), Istambul (Turquia, 2009), Marselha (França, 2012) e Daegu (Coreia do Sul, 2015).
 
Além das cisternas, também serão apresentadas outras tecnologias sociais sobre recursos hídricos, catalogadas no Banco de Tecnologias Sociais - BTS. O BTS é uma base de dados online com soluções para problemas sociais e dispõe de 70 iniciativas certificadas sobre a água. Destaca-se entre uma das vencedoras do ano passado, “Dessalinizador Solar” na Categoria Água e/ou Meio Ambiente.
 
O acervo também tem experiências para reuso de água nas atividades domésticas; a contenção em açudes para manter a umidade do solo e evitar enxurradas e erosão; o bombeamento para aumentar a captação e a pressão na torneira, entre outras alternativas.

Resíduos

A Associação dos Catadores Recicladores de Resíduos Sólidos Brazlândia (Acobraz) vai trabalhar na separação e destino do lixo reciclável do 8º Fórum Mundial da Água. Dez cooperados farão a triagem. Do local, os materiais – plástico, garrafas pet e de água mineral, latinhas, papelão - serão transportados diretamente para as empresas recicladoras.  A Acobraz, que tem 38 cooperados, se especializou em trabalhar em eventos e também é encarregada de fazer a separação do lixo seco de toda a coleta feita na Região Administrativa de Brazlândia. A associação faz parte da rede Centcoop-DF, composta por 24 cooperativas e que foi beneficiada pelo Programa Cataforte 3, com a participação em capacitações de catadores e a aquisição de caminhões para transporte dos resíduos."

Fórum   320x233

A divulgação deste projeto contempla quatro Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

06 ods100x100 013ods 100x100 014ods 100x100 015ods 100x100

 

Published in Notícias

O seminário será dividido em 3 painéis com os temas “Contextualizando a Inovação no Mundo e no Brasíl”, “Tendências Globais da Inovação Social”  e “Tendências Nacionais da Inovação Social”

Acontece em Brasília, entre os dias 07 e 08 de março, o Seminário Internacional Inovação Social em Políticas Públicas que irá promover o intercâmbio de práticas de inovação social no âmbito das políticas públicas no Brasil e no exterior, que contribuam para o alcance dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). A Fundação BB participará do evento por meio de palestra do gerente Rogério Miziara (Gepem), na quinta-feira (8), às 9 horas, que levará ao painel 3 - Tendências nacionais da inovação social - experiências de sucesso por meio das tecnologias sociais

Serão apresentadas as tecnologias sociais aliadas às políticas públicas que tiveram implementação em parceria com a Fundação BB: o Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2), um projeto de convivência com o semiárido, que assegura acesso à terra e à água, tanto para consumo da família e dos animais e promove a soberania e a segurança alimentar e nutricional das famílias agricultoras e fomenta a geração de emprego e renda.

A outra experiência que será mostrada é o “Sistema de Acesso à Água Pluvial (Sanear) para Consumo de Comunidades Extrativistas”. A tecnologia social permite o abastecimento de água potável às famílias ribeirinhas do Amazonas e ajuda a reduzir a incidência de verminoses. O sistema consiste na instalação nos domicílios de um reservatório para captação de água de chuva com capacidade de mil litros e a construção de um banheiro com fossa que isola a dispersão do esgoto.

O seminário será dividido em 3 painéis com os temas “Contextualizando a Inovação no Mundo e no Brasíl”, “Tendências Globais da Inovação Social” e “Tendências Nacionais da Inovação Social”. Além disso, terá 3 mesas redondas que vão debater os cases: "Inovação Social nas Politicas Sociais", "Inovação Social para Educação de Qualidade, Trabalho Decente" e "Crescimento Econômico Inclusivo e Inovação Social e Desenvolvimento Territoriais". Todos os palestrantes, debatedores e coordenadores do seminário são especialistas renomados do Brasil e de outros países. A programação completa e o perfil dos palestrantes estão disponíveis no endereço www.secretariadegoverno.gov.br/seminario-2018.

A abertura será nesta quarta-feira (07) e contará com a presença do ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República (Segov), Carlos Marun e outras autoridades.

Transmissão

O Seminário Internacional Inovação Social em Políticas Públicas será transmitido pelo canal do Tribunal de Contas da União no Youtube (www.youtube.com/user/Tribunal de Contas da União).

O evento é uma realização da Secretaria de Governo da Presidência da República (SEGOV) por meio da Secretaria Nacional de Articulação Social (SNAS), com a parceria do Banco Interamericano Desenvolvimento (BID), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Synergos, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Instituto Serzedello Corrêa do Tribunal de Contas da União (ISC/TCU), Fundação Banco do Brasil (FBB), Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Nacional) e Furnas Centrais Elétricas S.A.


Serviço:
Seminário Internacional Inovação Social em Políticas Públicas
Dias: 07 e 08 de março/2018
Horário: 08h00 às 18h00
Local: Instituto Serzedello Corrêa
Endereço: Setor de Clubes Sul, Trecho 3, Pólo 8, Lote 3
Painel 3 - Tendências nacionais da inovação social - Rogério Miziara - 08/03 - 9h

A divulgação deste assunto contempla todos os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

01ods 100x100 02ods 100x100 03ods 100x100 04ods 100x100 05ods 100x100 07ods 100x100 08ods 100x100 09ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100 012ods 100x100 013ods 100x100014ods 100x100 015ods 100x100 016ods 100x100 017ods 100x100

Published in Notícias