Atividade é desenvolvida no distrito paulista de Campo Limpo e concorre ao Prêmio de Tecnologia Social da Fundação BB

Silvestre e Vera são dois moradores entre as 216 mil pessoas que residem no distrito de Campo Limpo, zona Sul de São Paulo. Ele, proprietário de um açougue no bairro Jardim Maria Sampaio, via-se ameaçado com a abertura de um grande supermercado na região. Ela, dona de casa, tinha um sonho de começar o seu próprio negócio e aumentar a renda da casa, porém não tinha emprego fixo e nem as economias davam conta das despesas da casa. As histórias dessas duas pessoas passaram por uma grande transformação depois de conhecerem o Banco Comunitário União Sampaio, aberto pela União Popular de Mulheres do Campo Limpo (UPM), em 2009 e que concorre como finalista no Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social deste ano.

Frente às dificuldades situacionais do bairro, como a grande concentração de população de baixa renda e em situação de vulnerabilidade social, as associadas pensaram numa alternativa para fomentar a atividade econômica local e gerar renda para as pessoas da região, principalmente para fortalecer o protagonismo das mulheres e pequenos empreendimentos solidários e desenvolveram uma metodologia econômica que gerou bons resultados. A ideia foi criar uma moeda social para circular apenas dentro do próprio bairro, o “Sampaio” e com isso, passou a oferecer crédito para os moradores da região, usando como apoio a análise de um Conselho de Análise de Crédito (CAC), formado também por moradores da localidade.

Segundo Neide de Fátima Abati, presidente da UPM, qualquer pessoa do bairro pode solicitar o empréstimo, mas a preferência é para mulheres chefes do lar. Após preencher um cadastro, a solicitação passa pela avaliação do Conselho, que faz visitas presenciais às casas dos solicitantes e fazem um acompanhamento financeiro, inclusive com instruções de conscientização do empréstimo. O solicitante recebe o valor em “Sampaios”, moeda que é aceita apenas por comerciantes credenciados do bairro. “O pagamento de volta para o banco pode ser parcelado e dependendo do valor do empréstimo, não há juros - e quando há, são menores do que os bancos convencionais”, garante Neide.

O açougueiro Silvestre foi um dos primeiros comerciantes a aderir ao “Sampaio”. Após aceitar a moeda social, ele ganhou a fidelização de seus clientes e já contabilizou 30% de crescimento em um período de dois anos, o que permitiu ampliar o seu negócio e não se preocupar mais com a ameaça de outros concorrentes. Já a moradora Vera realizou o curso de panificação em um dos núcleos da UPM e em 2015 procurou o banco para realizar um empréstimo com a finalidade de comprar materiais para produzir pães para venda. O pequeno negócio gerou lucro e hoje ela continua recebendo encomendas de pães, além de ministrar cursos de panificação para dividir a experiência com outras moradoras do bairro.

Neide explica que os comerciantes são conscientes do impacto positivo pelo uso da moeda local para o reforço do seu negócio. “O “Sampaio” é fundamental para melhorar a vida das pessoas no bairro, que muito interessa aos comerciantes. Não só por uma questão de sentimento de solidariedade, que existe realmente entre eles, mas também por que veem nesta dinâmica econômica a saída para a sobrevivência de seus negócios”, conclui.

A moeda

A cédula do “Sampaio” é produzida em parceria com o Banco Palmas do Ceará, que comanda a rede de Bancos Comunitários. Ela é feita com papel moeda e com marca d’água especial para evitar falsificações.  Cerca de 30 comerciantes já aderiram à moeda entre mercadinhos, lojas, farmácias, salões de beleza e lanchonetes.

Segundo Neide, o banco já atendeu mais de três mil pessoas desde sua fundação, fortalecendo assim uma rede de economia solidaria local. “Não há uma média de valores do empréstimo. Já atendemos desde grandes empréstimos, como cinco mil reais, até pequenos valores de 100 reais, em função das necessidades e capacidade econômica de devolução”, explica.

Esta iniciativa foi inscrita no prêmio de Tecnologia Social da Fundação Banco do Brasil neste ano e foi certificada como tecnologia social. Agora ela é uma das 18 finalistas e concorre como ao prêmio de R$ 50 mil, na categoria Economia Solidária. A proposta também já compõe o Banco de Tecnologias Sociais e pode ser reaplicada em outras localidades.

Conheça outras iniciativas finalistas do Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social 2017 em fbb.org.br/finalistas

Sobre o Prêmio

O Prêmio Fundação BB tem 18 finalistas nas categorias nacionais e três na internacional. O evento de premiação será realizado em novembro. Este ano, o concurso tem a cooperação da Unesco no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Veja aqui a lista das finalistas do Prêmio 

Veja aqui a lista das 173 certificadas

 

 


======================

Como conseguir o empréstimo de "Sampaios"?


Público alvo: Mulheres da comunidade em situação de vulnerabilidade social, pequenos empreendimentos solidários, empréstimos destinados à moradia e ao consumo local.

• Solicitação do empréstimo com preenchimento do cadastro

• Palestra para conscientização do processo de crédito

• Análise da ficha com vista à casa do solicitante e vizinhos

• Geração de informe e deliberação dos membros do CAC

• Retorno ao solicitante (com ou sem aprovação)

• Apoio de assistência social para fazer um acompanhamento da evolução do solicitante, sem aprovação do crédito, para que possa conseguir o empréstimo mais adiante.

• Análise e apoio social, para além da necessidade financeira, com um atendimento em busca do desenvolvimento familiar, por meio de encaminhamentos à rede sócio assistencial e recursos da comunidade.

• Pagamento do empréstimo realizado pelo solicitante

=====================

 

A divulgação deste projeto contempla seis Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

01ods 100x100 05ods 100x100 08ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100 016ods 100x100

Publicado em Notícias

Escola de Comunicação Comunitária oferece formação e oportunidade de trabalho e renda para estimular a mobilização social de jovens

Um espaço de aprendizagem em que todos aprendem com todos. Um local onde a afetividade, a criatividade e a capacidade crítica são valorizadas e as tecnologias de comunicação usadas para o desenvolvimento pessoal e o conhecimento da comunidade e da cultura local. Assim nasceu e se consolidou a Escola Comunitária de Comunicação, por onde já passaram mais de 130 jovens de 16 a 24 anos de escolas públicas e privadas, no bairro Campo Limpo, na Zona Sul de São Paulo. A experiência concorre ao Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2017, na categoria Educação.

O bairro está entre os campeões em número de homicídios na capital paulistana e tem grande concentração de jovens. Para oferecer a eles oportunidades de crescimento pessoal, geração de renda e de contribuir com o desenvolvimento da comunidade, um grupo de jovens criou o projeto como uma ferramenta para a mobilização juvenil e transformação social.

A formação em produção comunicativa tem duração de três anos, sendo dividida em três ciclos. No primeiro ciclo, os jovens são estimulados a fazer uma pesquisa sobre o ambiente familiar, escolar e da comunidade local, por meio da metodologia investigação apreciativa. A partir daí, são desenvolvidas histórias adaptadas para quatro diferentes mídias: jornal, rádio, fotografia e vídeo. No segundo ciclo, os participantes são monitorados por profissionais de comunicação para exercitar os conceitos aprendidos de maneira prática. Na última fase, os estudantes passam a atuar na produtora do projeto, já como atividade profissional.

Leonardo Pereira dos Santos, iniciou sua experiência aos 16 anos e descobriu sua aptidão e habilidade para trabalhar com desenho pelo projeto. Agora, aos 20 anos, ele é diretor da Escola Comunitária. "É muito instigante ver as pessoas descobrindo que o próprio talento pode mudar muito as nossas comunidades."

Nas cinco turmas formadas, os participantes produziram documentários sobre moradores de Campo Limpo, curtas-metragens, fanzines, exposições, blogs, rádio novela, telejornal e grafitagem de muro. Além disso, foram firmadas parcerias com organizações sociais como Projeto Arrastão, Periferia em Movimento, União Popular de Mulheres, Brechoteca, I Love Laje, Sarau do Binho, e espaços públicos como o Parque Santo Dias, Casa de Cultura do Campo Limpo e Subprefeitura.

Saiba mais sobre a tecnologia social neste vídeo

Conheça outras iniciativas finalistas do Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social 2017 em fbb.org.br/finalistas

Prêmio
No total, 18 finalistas nas categorias nacionais e três na internacional concorrem ao Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social. O evento de premiação será realizado em novembro. Entre as 735 inscritas neste ano, 173 foram certificadas e passaram a constar no Banco de Tecnologias Sociais (BTS), um acervo online gratuito mantido pela Fundação BB. Nesta edição, o concurso tem a cooperação da Unesco no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Visite a Escola Comunitária de Comunicação no BTS

Veja aqui a lista das finalistas do Prêmio

Veja aqui a lista das 173 certificadas

Visite o site do Prêmio

A divulgação deste projeto contempla dois Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

04ods 100x100 010ods 100x100

 

Publicado em Notícias