Segunda, 24 Junho 2019 11:23

Tecnologia social aliada ao extrativismo renderá bons frutos aos moradores da Floresta Nacional do Tapajós Destaque

Escrito por Dalva de Oliveira
Avalie este item
(0 votos)

Comflona graviola

Cooperados receberam capacitação em processamento de frutas, boas práticas de fabricação e comercialização dos produtos. A graviola (foto) é uma das frutas exploradas na região

O extrativismo tradicional já não é a única fonte de renda das famílias que vivem na Floresta Nacional do Tapajós, situada à margem direita do rio Tapajós, no estado do Pará, também conhecida como a Flona Tapajós. A região abriga 24 comunidades e aproximadamente mil famílias.

É neste lugar que fica a comunidade São Domingos, no município de Belterra (PA), onde predomina o cultivo de árvores frutíferas para a fabricação de polpas de frutas, resultante do extrativismo e do plantio em sistemas agroflorestais. Mas a dificuldade de escoamento da produção, de transporte adequado para levar os produtos para serem comercializados são alguns fatores que têm gerado prejuízo para os agricultores familiares.

Diante desse cenário, a Cooperativa Mista da Flona Tapajós (Coomflona), apresentou à Fundação Banco do Brasil um projeto de ampliação e montagem de uma agroindústria de polpa de frutas , com objetivo de incentivar os Sistemas Agroflorestais (SAFs) como uma alternativa de renda, a partir de uma atividade sustentável, absorver a produção das famílias, garantir o fornecimento aos programas sociais do governo federal. O projeto visa, ainda, fazer o resgate das atividades extrativistas e culturais, integrando o manejo tradicional com novas práticas, para desenvolver uma extração adequada dos frutos, aliada à conservação dos recursos florestais. Os SAFs consistem em plantar, de forma integrada, uma diversidade de plantas de porte rasteiro, baixo, médio, intermediário e alto com ciclos de vida diversos intercalados de forma que se possa aproveitar o espaço de plantio tanto na vertical quanto na horizontal em uma escala de tempo previamente planejada.

O projeto foi contemplado no edital de seleção pública Ecoforte Extrativismo, da Fundação BB e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com o valor de R$ 581,5 mil. Com o investimento social, a cooperativa adquiriu um caminhão baú refrigerado para a coleta de frutos e transporte de polpas congeladas, uma despolpadeira, uma embaladora, uma seladora, embalagens padronizadas, dez freezers e um gerador de energia elétrica automatizado. Os extrativistas receberam capacitação em processamento de frutas, boas práticas de fabricação e comercialização dos produtos.

No novo empreendimento serão produzidas polpas de frutas da coleta vegetal de frutos como taperebá, cupuaçu nativo e açaí, e outros frutos resultantes da plantação em sistema agroflorestal, como cupuaçu, caju, acerola, abacaxi, goiaba, manga e graviola.

De acordo com Arimar Feitosa Rodrigues, coordenador da Coomflona, a previsão é que a agroindústria seja inaugurada no próximo semestre e, com isso, passe a produzir entre 30 e 40 toneladas de polpas de frutas por mês. Ele explica que tudo já está pronto, faltando apenas a liberação do selo de inspeção sanitário, que vai permitir que o produto seja inserido no mercado. “Nosso sonho é produzir polpa para comercializar e melhorar a renda das famílias sem perder de vista a agricultura familiar, o extrativismo, a agroecologia, o cuidado com o meio ambiente, que já é uma prática rotineira por aqui, porque vivemos dentro de uma unidade de conservação, onde existem regras de exploração dos recursos naturais”, declarou.

Em 2017, a Coomflona também foi contemplada com investimento social do edital Ecoforte no valor R$ 447 mil, para estruturar uma fábrica de móveis. A unidade trabalha com o reaproveitamento da madeira extraída na Unidade de Conservação da Floresta Nacional do Tapajós, visando reduzir o desmatamento, manter a sociobiodiversidade e gerar renda para as populações tradicionais.

Sobre o Ecoforte Extrativismo

O edital Ecoforte Extrativismo foi destinado para o apoio a empreendimentos coletivos nas fases de produção, beneficiamento ou comercialização de produtos extraídos por meio de práticas sustentáveis na floresta. O recurso de R$ 12,3 milhões foi aplicado por meio da Fundação BB e do Fundo Amazônia e gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

 

Ler 897 vezes Última modificação em Sexta, 28 Junho 2019 09:15

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.