Mostrando itens por marcador: ludocriarte

Terça, 20 Novembro 2018 11:16

Raízes Africanas

Projeto no DF fortalece a autoestima de crianças ao ensinar sobre o universo africano por meio de brincadeiras, músicas e jogos

No período da escravidão, durante a travessia do Atlântico, algumas mulheres negras davam à luz. Outras eram capturadas e transportadas com seus filhos. Estas crianças não tinham brinquedos para se divertirem durante o translado. Como forma de proporcionar este direito aos seus filhos, estas mulheres rasgavam pedaços de suas roupas, faziam pequenos nós e produziam bonecas para as crianças brincarem. Em cada nó havia um desejo de sorte, alegria e felicidade para os filhos que receberiam aquela boneca.

A história parece uma lenda, mas é real. O nome da boneca é Abayomi, palavra de origem iorubá, grupo étnico que existe até hoje na Nigéria. O termo Abay significa encontro e omi, precioso, ou seja, encontro precioso. Segundo a tradição, receber uma Abayomi traz alegria e felicidade. Esta história foi uma das muitas apresentadas para as crianças e jovens do projeto Raízes Afro Indígenas, da Associação Ludocriarte, localizada em São Sebastião, cidade no entorno do Distrito Federal.

O presidente da entidade, Paolo Chirola, identificou que as crianças reclamavam que sofriam preconceito por causa da origem e cor da pele. Como a maioria tem pais nordestinos e são negras, o objetivo do trabalho foi resgatar as raízes nordestinas africanas. “Esta discriminação também está relacionada à origem, por isso a escolha do viés cultural para trabalhar o lúdico. O nosso foco é o direito de brincar e por meio da brincadeira valorizar as raízes negras destas crianças”, afirma.

A educadora Darliane Santos disse que a história das abayomis foi contada na semana no dia das mães e o objetivo era cada criança fazer uma boneca para dedicar às mães. “Eu trabalhei isto com eles que fizeram chaveiros e cada nó tinha um desejo. Eles fizeram desejando coisas boas para as mães”, conta Darliane.

Brincadeiras e saber africano

Conteúdos sobre histórias orais, músicas e brincadeiras sobre as raízes africanas são ensinados no projeto, de forma criativa, o que estimula a retenção do conhecimento. Na aula de mitologia africana, eles aprenderam sobre os orixás e puderam fazer pinturas em tecidos de cada entidade. Xangô, Ossaim, Iemanjá, Iansã foram apresentadas e cada criança pode representá-los a partir de sua interpretação individual.

Na aula de música, o som do jazz afroa-mericano foi apresentado pir meio da cantora Nina Simone. Crianças entre 8 e 10 anos ouviam Feeling Good para estimular a criatividade enquanto pintavam na capa cd’s a o cabelo de Nina Simone. “Ela expressava seus sentimentos e cantava músicas que falava sobre a vida dela”, disse Yasmin Santos, 11 anos ao explicar quem foi Nina Simone.

Daniel Guedes, 15 anos, destaca que aprender sobre a África no projeto o fez valorizar a ascendência africana além de ensinar algo que ele não teve oportunidade de aprender na escola formal. “Eu uso turbante quando eu estou muito feliz. Aqui no projeto aprendi de um jeito divertido sobre a minha ancestralidade”, conta. Além do turbante, Daniel aprendeu jogos africanos que eram usados na agricultura e que hoje podem ser utilizados como jogos de tabuleiro, como dama e xadrez. Uma delas é a mancala, que possui papel importante em sociedades africanas e asiáticas e que tem como meta capturar sementes que estão em cavidades. Ganha a pessoa que consegue pegar o maior número de sementes. Assista ao vídeo do projeto e conheça a mancala.

20 de novembro

A abyomi, os orixás e a mancala são símbolos de resistência do povo africano que foi escravizado no Brasil. O 20 de novembro simboliza tudo isto. Nesta data, no ano de 1695, o líder do maior quilombo do país, Zumbi dos Palmares, foi assassinado por ter feito resistência à opressão imposta aos negros.

A data foi institucionalizada como Dia da Consciência Negra para demonstrar o protagonismo e a luta do povo negro africano, além de valorizar a contribuição para a formação social do Brasil por meio do trabalho, da cultura e dos saberes.

A Fundação Banco do Brasil, por meio do Projeto Memória, já homenageou outras pessoas negras que também foram protagonistas pela igualdade de direitos como João Cândido e Lélia Gonzalez.
 

 

Publicado em Notícias

A entidade contou com a parceria da Fundação BB em projetos para crianças, adolescentes, jovens e adultos

Nesse sábado, (01/07), a Associação Ludocriarte da cidade de São Sebastião (DF) realizará o XXIV Festival Artístico e Cultural da Brinquedoteca. A noite será recheada de atrações protagonizadas pelas crianças: espetáculo de música, teatro, dança, audiovisual, poesia, desfile, roda de capoeira e cultura popular. Na ocasião serão vendidas comidas típicas nordestinas, e um brechó com vendas de roupas, calçados e acessórios. Haverá também apresentação da mestra Martinha do Coco - cantora de samba de coco, maracatu e ciranda - que traz repertório de resgate da cultura nordestina com a cara do cerrado.

O evento marcado para acontecer às 19 horas, na sede da entidade, irá celebrar o encerramento do projeto “Nossa Ancestralidade Negra - cultura e identidade sob o olhar da criança”, uma parceria com a Fundação Banco do Brasil, fruto de convênio celebrado em 2016, com investimento social de R$ 70 mil.

Criada há 12 anos pelo italiano, radicado no Brasil, Paolo Chirola, a Ludocriarte atende cerca de 200 crianças e adolescentes por ano, com idades entre 6 e 14 anos. A entidade oferece atividades gratuitas de lazer, recreação, arte, cultura e educação não formal para crianças, adolescentes e seus familiares, com o objetivo de fortalecer a identidade e os valores afro culturais, assim como a defesa e promoção dos direitos sociais.

Hoje, no espaço são oferecidos diversos cursos e oficinas no contraturno escolar - artes plásticas, informática, jogos, capoeira, biodança, dança de rua, hip hop e musicalização. Além disso, os atendidos recebem auxílio nas tarefas escolares.

“Vamos proporcionar aos visitantes uma noite linda, com muitas atrações. Nossa festa será toda voltada para a cultura negra. Esse projeto com a Fundação BB nos fez perceber que precisamos trabalhar o tema, porque quase cem por cento dos nossos atendidos são negros ou descentes de negros, por isso precisamos reforçar a identidade de suas origens”, disse o presidente e idealizador do projeto.

Paolo explica ainda que precisa buscar mais parcerias para dar continuidade ao trabalho. Segundo ele, com o aporte financeiro da Fundação Banco do Brasil foi possível melhorar o espaço da brinquedoteca, comprar alguns equipamentos e investir na qualificação dos profissionais que atendem as crianças e adolescentes.

Formatura BB Educar

Ao final do evento, haverá a entrega de certificados para dez alunos do curso de alfabetização de jovens e adultos, com idades entre 36 e 86 anos, ministrado por duas funcionárias aposentadas do Banco do Brasil - Maria de Fátima Silva e Luciana de Oliveira Pinto. As voluntárias dedicaram oito meses na alfabetização da turma. O BB Educar é uma tecnologia social da Fundação BB para capacitação de colaboradores que atuam em núcleos de alfabetização de jovens e adultos. A metodologia tem como base os princípios de uma educação libertadora e a prática da leitura do mundo, que considera a realidade do alfabetizando como ponto de partida do processo educativo.

Serviço
XXIV Festival Artístico-Cultural da Ludocriarte
Data: 01 de julho
Horário: a partir das 19h.
Local: Brinquedoteca Comunitária de São Sebastião (Quadra 103, conjunto 05, casa 01)

A divulgação deste projeto contempla dois Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

04ods 100x100 010ods 100x100

Publicado em Notícias