Investimento de R$ 1 milhão é destinado a projetos de recomposição florestal nas bacias do Descoberto e São Bartolomeu

A Fundação Banco do Brasil e parceiros idealizadores do edital Recupera Cerrado - prorrogaram o prazo de inscrição de propostas para 23 de julho. Osprojetos selecionados terão como objetivo a recomposição florestal da vegetação nativa de áreas degradadas em pequenas propriedades rurais, preferencialmente, nas Bacias do Rio Descoberto e São Bartolomeu. As áreas degradadas são as que perderam as características originais a ponto de não ser possível uma regeneração natural.

Podem participar da seleção entidades sem fins lucrativos legalmente constituídas há pelo menos dois anos. O objetivo do edital é contribuir para a preservação do bioma Cerrado, assim como melhorar a qualidade e a quantidade de oferta de água nas regiões recuperadas.

O Recupera Cerrado é o resultado da parceria entre a Fundação Banco do Brasil, Secretaria de Meio Ambiente do Distrito Federal (SEMA/DF), o Instituto Brasília Ambiental (IBRAM) e o Serviço Florestal Brasileiro (SFB).

O investimento de R$ 1 milhão desta primeira etapa faz parte do passivo de compensação florestal devido pela Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), primeira instituição a aderir ao programa-piloto.

O recurso será usado na aquisição de sementes, mudas, adubos, corretivos, arames e moirões; práticas de controle da erosão visando a conservação do solo; pagamento de serviço de terceiros para a implantação de técnicas de recomposição vegetal; ações de mobilização e divulgação; capacitação, serviços técnicos relacionados à atividade produtiva, beneficiamento e comercialização; gestão, assistência técnica e acompanhamento do projeto; construção, reforma ou ampliação em benfeitorias e instalação permanente; máquinas e equipamentos novos; móveis, utensílios e material permanente; equipamentos de informática, comunicação e software; veículos e caminhões novos, entre outros.

Acesse o edital e anexos em fbb.org.br/recuperacerrado

Após a leitura dos documentos, quem tiver alguma dúvida, pode enviar mensagem até o dia 16 de julho, para o endereço eletrônico Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., de acordo com o edital.

Aliança
O Programa Recupera Cerrado é uma ação desenvolvida pela Aliança Cerrado, fórum permanente entre sociedade civil e governo, coordenado pelo Centro de Excelência do Cerrado - Cerratenses, unidade do Jardim Botânico de Brasília, para promover a conservação e recuperação deste bioma. Trata-se de um programa piloto de fomento à compensação florestal para induzir métodos inovadores de recomposição da vegetação nativa.

A divulgação deste projeto contempla quatro Objetivos do Desenvolvimento Sustentávelque fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

06 ods100x100 013ods 100x100 014ods 100x100 015ods 100x100

 

Publicado em Notícias

Parceria entre a Fundação BB, Banco do Brasil e Associação de Amigos do Jardim Botânico traz inovações digitais para promoção da educação ambiental

Facilidades para compra de ingressos, maior cobertura wi-fi, e aplicativo de visita interativa. O aniversário de 210 anos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, comemorado em 13 de junho, traz uma série de inovações que marcarão a experiência de visitação ao espaço. Como parte das celebrações, serão lançadas também novas trilhas, além de medalha e selo comemorativos.

O projeto “Transformação Digital e Educação Ambiental do Jardim Botânico do Rio de Janeiro” realizado com apoio da Fundação BB, Banco do Brasil e Associação de Amigos do Jardim Botânico (AAJB) disponibilizará um aplicativo interativo para smartphones e tablets. O app – já disponível para os sistemas iOS e Android - traz informações sobre trilhas, plantas, animais e monumentos e um mapa com a localização dos principais atrativos e pontos de interesse. A iniciativa está alinhada com o esforço do BB e entidades ligadas em contribuir para a inclusão e transformação digital da sociedade brasileira, e terá o investimento total de R$ 3,4 milhões.

A finalidade é levar informações relevantes de educação ambiental de forma lúdica e didática. Uma das funcionalidades presentes é a visitação por meio de realidade virtual, com roteiros em 360º pelas trilhas locais. Dessa forma, será possível que educadores realizem atividades, inclusive, com alunos de escolas distantes.

Com a expansão da cobertura da rede wi-fi, a ferramenta também poderá ser baixada e usada em qualquer ponto do Jardim. Um segundo módulo do aplicativo - com previsão de entrega até dezembro de 2018 - incluirá jogos que ajudam a conhecer melhor a flora e a fauna dos ecossistemas.

"Essas inovações vão ajudar a levar o Jardim Botânico para crianças que não têm condições de vir aqui e ajudar as pessoas a conhecerem mais da sua história", disse o presidente da Fundação Banco do Brasil, Asclepius Soares, durante a celebração de aniversário do parque.

Outra inovação decorrente do projeto irá atender uma das reivindicações mais antigas dos frequentadores: a compra de entradas por meio de cartões de débito de todas as bandeiras. Ainda estão previstas novas possibilidades de pagamento, como a compra de ingressos pela Internet, aplicativo e cartão de crédito, disponíveis até 2019. No dia do aniversário, a visita será gratuita.

Outra boa notícia é que os carrinhos elétricos voltarão a circular diariamente, com novos fluxos e intervalos. Agora o visitante poderá descer nos pontos de parada ao longo das vias, aproveitar cada atração com calma e continuar o passeio no carrinho seguinte, que passará a cada 30 minutos. Desta forma, é possível atender a um número maior de pessoas. O sistema de controle de acesso das catracas também foi renovado, agilizando a mobilidade dos visitantes.

Para o presidente do Jardim Botânico, Sérgio Besserman, as novidades vão contribuir para estimular a consciência ambiental. "Vamos ter muitas outras possibilidades para que todos os visitantes do jardim, além do contemplativo, possam adquirir informações que lhe interessem e, certamente, vão engajar mais seu coração na luta pela conservação da natureza." 

Novas Trilhas
Na tarde de 13 de junho, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro inaugura os Caminhos do Sagrado. Trata-se de um conjunto formado pelo Jardim Bíblico – que reabre reformulado e com placas informativas sobre as espécies –, e duas novas trilhas: a Indígena e a Africana.

O Jardim Bíblico apresenta sete espécies de plantas mencionadas na Bíblia (TEB), como a oliveira (Olea europaea L.) e a arruda (Ruta graveolans L.). Cada placa interpretativa traz o trecho onde a planta é mencionada, com a referência do livro, capítulo e versículo correspondente.

A Trilha Africana é composta de 19 espécies de plantas. Além do nome popular e do científico, as placas trazem o nome e o uso de cada planta nas religiões africanas ou afro-brasileiras. Fazem parte da trilha tanto espécies originárias da África, como a noz-de-cola (obi) e o flamboyant, quanto outras que são utilizadas nos rituais em substituição a alguma espécie africana, como é o caso da gameleira.

Na Trilha Indígena, são encontradas 17 espécies identificadas por seus nomes populares, científicos e ameríndios. Também são indicados seus usos tradicionais e, em alguns casos, os usos recentes, como a fabricação de arcos de violino com pau-brasil e a produção de cosméticos com várias outras espécies.

Selo e medalha
Para tornar os 210 anos do Jardim Botânico realmente inesquecíveis, os Correios farão no dia 13 de junho o lançamento de um selo e um carimbo personalizados da data. A imagem escolhida foi a da vitória-régia, espécie que, assim como as palmeiras-imperiais, é uma das principais atrações do JBRJ. O selo estará à venda nas agências dos Correios e na loja da AAJB, no Jardim.

A Casa da Moeda, por sua vez, cunhou uma medalha comemorativa dos 210 anos, com a paisagem que reúne o Lago e o Cômoro Frei Leandro e a vitória-régia. A medalha tem edição limitada e será entregue a ex-dirigentes da instituição e a autoridades que colaboraram para que o Jardim Botânico continue a ser uma das mais importantes instituições de pesquisa do mundo em sua área e um dos lugares mais belos e queridos do Rio de Janeiro e do Brasil.

A divulgação deste projeto está relacionado aos seguintes Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030:

04ods 100x100 09ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100 014ods 100x100 015ods 100x100 017ods 100x100

 

Publicado em Notícias

Investimento de R$ 1 milhão é destinado a projetos de recomposição florestal em pequenas propriedades rurais para melhorar a oferta de água na região

Interessados em participar do edital Recupera Cerrado têm até a próxima segunda-feira (4) para se inscrever. As entidades selecionadas vão atuar em projetos voltados para a recomposição florestal da vegetação nativa de áreas degradadas em pequenas propriedades rurais, preferencialmente nas Bacias do Rio Descoberto e São Bartolomeu, com acompanhamento pelo período de cinco anos. As áreas degradadas são as que perderam as características originais a ponto de não ser possível uma regeneração natural. Podem participar da seleção entidades sem fins lucrativos legalmente constituídas há pelo menos dois anos.

O Recupera Cerrado é resultado de parceria entre a Fundação Banco do Brasil, Secretaria de Meio Ambiente do Distrito Federal (SEMA/DF), o Instituto Brasília Ambiental (IBRAM) e o Serviço Florestal Brasileiro (SFB).

O investimento nesta primeira etapa será de R$ 1 milhão, que faz parte do passivo de compensação florestal devido pela Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), primeira instituição a aderir ao programa-piloto.

O recurso será usado na aquisição de sementes, mudas, adubos, corretivos, arames e moirões; práticas de controle da erosão visando a conservação do solo; pagamento de serviço de terceiros para a implantação de técnicas de recomposição vegetal; ações de mobilização e divulgação; capacitação, serviços técnicos relacionados à atividade produtiva, beneficiamento e comercialização; gestão, assistência técnica e acompanhamento do projeto; construção, reforma ou ampliação em benfeitorias e instalação permanente; máquinas e equipamentos novos; móveis, utensílios e material permanente; equipamentos de informática, comunicação e software; veículos e caminhões novos, entre outros.

Acesse o edital e anexos em fbb.org.br/recuperacerrado

Aliança

O Programa Recupera Cerrado é um mecanismo desenvolvido pela Aliança Cerrado, fórum permanente entre sociedade civil e governo, coordenado pelo Centro de Excelência do Cerrado - Cerratenses, unidade do Jardim Botânico de Brasília, para promover a conservação e recuperação deste bioma. Trata-se de um programa piloto de fomento à compensação florestal para induzir métodos inovadores de recomposição da vegetação nativa.

A divulgação deste projeto contempla quatro Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

06 ods100x100 013ods 100x100 014ods 100x100 015ods 100x100

Publicado em Notícias

Interessados podem fazer inscrição no local do evento

Após realizar a primeira oficina para sanar dúvidas do edital do Programa Recupera Cerrado, a Aliança Cerrado promove mais uma edição do evento, na quarta-feira (02/05), das 8h30 às 17h30. 

Dessa vez, a capacitação para elaboração de projetos vai acontecer no Centro Nacional de Apoio ao Manejo Florestal (Cenaflor), na sede do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Brasília (DF). As atividades têm como objetivo orientar os participantes sobre a elaboração e apresentação de propostas, com direito a simulações de preenchimento do documento para concorrer ao chamamento.

Ministrada por especialistas da Fundação Banco do Brasil, da da Secretaria de Meio Ambiente do Distrito Federal (Sema), do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), a oficina é aberta às instituições interessadas em participar do edital Recupera Cerrado com projetos. 

Aberto até o dia 04 de junho, o edital prevê investimento social de R$ 1 milhão nesta primeira etapa. O recurso faz parte do passivo de compensação florestal devido pela Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap). Serão recuperadas áreas degradadas que perderam as características originais e que não tem mais possibilidade de regeneração natural. Podem participar da seleção entidades sem fins lucrativos legalmente constituídas há pelo menos dois anos.

O Programa Recupera Cerrado foi desenvolvido pela Aliança Cerrado, fórum permanente entre sociedade civil e governo, coordenado pelo Centro de Excelência do Cerrado - Cerratenses, unidade do Jardim Botânico de Brasília, para promover a conservação e recuperação do Cerrado. Trata-se de um programa piloto de fomento à compensação florestal para induzir métodos inovadores de recomposição da vegetação nativa.

Acesse o edital e anexos no fbb.org.br/recuperacerrado

Serviço
Oficina de Capacitação para elaboração de projetos
Data: 02/05/2018
Hora: 8h30 às 17h30
Local: Cenaflor - SCEN, Trecho 2, Bloco Cenaflor,  auditório do Ibama – Brasília (DF)

A divulgação deste projeto contempla quatro Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

06 ods100x100 013ods 100x100 014ods 100x100 015ods 100x100

 

 

Publicado em Notícias

Termo de cooperação entre Fundação Banco do Brasil e Serviço Florestal Brasileiro foi assinado nesta quinta (22)

No Dia Mundial da Água, 22 de março, a Fundação Banco do Brasil e o Serviço Florestal Brasileiro (SFB) assinaram um termo de compromisso para a cooperação técnica que viabilizará a captação de recursos financeiros de pessoas físicas e jurídicas para a recuperação vegetal de nascentes de rios em todo o Brasil. A assinatura ocorreu durante o 8º Fórum Mundial da Água, em Brasília. 

O acordo faz parte do Programa Plantadores de Rios, instituído pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) em junho de 2017, com o objetivo de proteger e recuperar áreas próximas aos cursos d’água para ampliar a oferta de água potável e a segurança hídrica da população nas diversas regiões do país. Atualmente, por meio de um aplicativo, o programa conecta proprietários de imóveis rurais inscritos no Sistema de Cadastro Ambiental Rural (SiCAR) com pessoas e instituições que queiram investir na recuperação da cobertura vegetal de Áreas de Preservação Permanente (APP).

O aplicativo localiza as nascentes próximas ao usuário em um raio de até 15 quilômetros. O usuário escolhe qual nascente quer adotar e, a partir daí, ele pode conversar por chat com o proprietário da área. O interessado em adotar uma nascente dispõe de várias opções para fazer doação direta ao produtor: dinheiro, materiais (mudas, sementes, cercas, entre outros) ou serviços (limpeza e assistência técnica, por exemplo). 

Com a cooperação da Fundação BB será possível doar dinheiro para o programa. Os recursos financeiros poderão ser doados por pessoas físicas, empresas, fundos internacionais ou privados, bancos, arrecadação virtual, entre outras formas, por meio de transferência direta para conta corrente do programa ou por plataforma de pagamento online. Os recursos captados serão destinados a projetos de recuperação da vegetação no entorno dos rios, por meio de chamadas públicas.

O SiCAR tem mapeadas e cadastradas cerca de 1,7 milhão de nascentes e mais de 15 milhões de hectares de Áreas de Preservação Permanente – dos quais cerca de 6 milhões de hectares precisam ser recuperados. Uma auditoria independente será contratada para auditar os recursos arrecadados e a aplicação para recomposição florestal nas áreas de nascentes.

"A entrada da Fundação BB fortalece a possibilidade de mais adesões voluntárias ao programa, não só pelo aplicativo, mas também pela conta aberta pela Fundação, que terá esse recurso aplicado de forma transparente." afirmou Raimundo Deusdará, diretor-presidente do Serviço Florestal Brasileiro.

"Queremos que, a partir desse projeto, cada pessoa que queira preservar uma nascente tenha certeza de que os recursos serão utilizados para a finalidade que foi preconizada", explicou Asclepius Soares, presidente da Fundação Banco do Brasil.

A divulgação deste projeto contempla quatro Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

06 ods100x100 013ods 100x100 014ods 100x100 015ods 100x100

Publicado em Notícias

Entidades têm até o dia 27 de outubro para entrar com recurso na comissão de seleção

A Fundação Banco do Brasil divulga o resultado da Etapa 3 do Edital Ecoforte Extrativismo, publicado nesta segunda (23) no Diário Oficial da União. Foram selecionadas entidades sem fins lucrativos que reúnem produtores extrativistas em projetos em unidades de conservação federais de uso sustentável no Bioma Amazônia. As entidades participantes têm até o dia 27 para entrar com recurso na Comissão de Seleção.

O investimento social será de R$ 8 milhões, da Fundação Banco do Brasil e do Fundo Amazônia, gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A seleção vai apoiar empreendimentos coletivos nas fases de produção, beneficiamento ou comercialização de produtos extraídos por meio de práticas sustentáveis na floresta.

Para acessar o resultado preliminar da Etapa 3, clique aqui

Para acessar o formulário de interposição de recursos da Etapa 3, clique aqui 

Para acessar a página do Edital Ecoforte Extrativismo, clique aqui.

A realização deste projeto contempla quatro Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidascom metas para o ano de 2030

1 8  10  15

 

 
Publicado em Notícias

Convênio com Fundação BB permitirá ampliar produção de hortaliças e mudas nativas na iniciativa que envolve cerca de 250 jovens

A Fundação Banco do Brasil e a Associação de Educação do Homem do Amanhã (Aehda) assinaram convênio para incrementar a produção de hortaliças e mudas nativas para recomposição florestal do Centro Ambiental Sérgio Ieda, em Araras (SP). O projeto prevê a aquisição de implementos agrícolas de pequeno porte como um novo sistema de irrigação, um sulcador sem adubadora e uma enxada rotativa. O investimento social da Fundação BB é de R$ 13 mil e o projeto envolve diretamente 250 participantes.

Com área de 28 hectares, o Centro Ambiental Sérgio Ieda da Aehda promove educação ambiental para jovens em situação de vulnerabilidade social. O Centro desenvolve cerca de 200 espécies de mudas, com capacidade de produção de até 500 mil ao ano. Os jovens são capacitados em conhecimentos ambientais com ênfase em operação e manutenção de viveiros para produção de mudas.

Apresentado pelo aposentado Pedro Donizetti de Souza, o projeto foi selecionado no edital do Voluntariado Integração BB. Educador corporativo da UNIBB em áreas como finanças e negociação, Pedro colocou à disposição da instituição seus conhecimentos e expertise. “Na Aehda, atuei como voluntário na área de educação diversas vezes e, com certeza, atuarei mais ainda. É uma entidade do bem", elogia.

Tecnologia social

Em 2001, o Programa Homem do Amanhã, da Aehda, foi certificado como tecnologia social pela Fundação BB. A iniciativa objetiva contribuir para a ascensão social de jovens de famílias de baixa renda e desenvolver neles a autoestima, o espírito de solidariedade e a consciência de cidadania. A tecnologia social Homem do Amanhã oferece cursos de capacitação profissional para inserção no primeiro emprego. Com isso aumenta as oportunidades desses jovens de acesso a uma boa formação e contato com novas tecnologias.

Publicado em Notícias