Tecnologia utiliza a música como inclusão social para a pessoa com autismo e sua família

Diferentemente do que muitas pessoas imaginam, a pessoa com autismo é capaz de desenvolver aptidões para a música e outras atividades. Prova disso é o que vem fazendo a tecnologia social, “Uma Sinfonia Diferente - musical para pessoas com autismo”, do Instituto Steinkopf, de Brasília (DF).

Idealizada pela musicoterapeuta, Ana Carolina Steinkopf, em 2015, a metodologia utiliza a música e seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) no acompanhamento do autista.

O método consiste em quatro etapas: inscrição e seleção dos participantes; ensaios em pequenos grupos; apresentação pública; e retorno aos ensaios, com a avaliação sobre a evolução dos atendidos. As fases são acompanhadas por uma equipe formada por psicólogos e terapeutas ocupacionais.

Finalista na categoria Saúde e Bem-Estar, do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social, a iniciativa busca conscientizar a população em geral, além de incluir socialmente a pessoa com autismo como protagonista e agente cultural. O projeto ainda promove a saúde e bem-estar dos autistas e seus familiares.

Segundo a musicoterapeuta, a ideia surgiu da vontade de entender o universo da pessoa com autismo a partir das reclamações dos pais sobre as dificuldades de integrar seus filhos. Ela sonha em expandir o método para todo o Brasil e, a partir de pesquisa de mestrado prevista para 2018, consolidá-lo como metodologia científica.

“Uma Sinfonia Diferente é um pedaço de um grande sonho de tornar o Instituto Steinkopf um centro de referência em autismo, com foco na valorização do potencial das pessoas, com centro acadêmico de pesquisas e atendimentos clínicos de excelência”, relata.

Luciana Ribeiro, mãe de Gabriel Luiz, de sete anos, procurou ajuda no Instituto a partir de reportagem que assistiu na TV. “Meu filho já tinha um diagnóstico fechado e resolvi procurar o grupo pela ausência de terapias em grupo para autistas. Nesses dois anos é perceptível como ele está mais sociável. Lá ele é tratado como igual. Foi na música que o Gabriel descobriu o outro”, declara."

A iniciativa promove diversas atividades em grupo, como estimulação musical, ensaios e apresentações. O próximo show está marcado para 19 de outubro às 19 horas na Sala Plínio Marcos da Funarte, em Brasília.

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) tem início na infância e está associado à dificuldade na comunicação (alteração na fala), socialização e a comportamentos repetitivos que têm ocorrência em diferentes contextos.

Conheça outras iniciativas finalistas do Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social 2017 em fbb.org.br/finalistas



Prêmio
Assim como esta iniciativa, o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social tem outras 17 tecnologias nacionais e três internacionais concorrendo à premiação final. As vencedoras serão conhecidas no mês de novembro em cerimônia realizada em Brasília (DF). Esta edição tem a cooperação da Unesco no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Veja aqui a lista das finalistas do Prêmio 
Veja aqui a lista das 173 certificadas 
Visite o site do Prêmio

A divulgação deste projeto contempla dois Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.


03ods 100x100 010ods 100x100 

Publicado em Notícias