Sexta, 07 Abril 2017 18:41

Redes de catadores das regiões Norte e Centro-Oeste querem atuar em conjunto Destaque

Escrito por Assessora Naiçara Garbin Lombardi/Ceadec
Avalie este item
(1 Votar)

Debates e trocas de experiências fizeram parte da programação do Seminário Regional do Cataforte III, em Brasília 

A Fundação Banco do Brasil e o Ceadec promoveram entre os dias 5 a 7, o primeiro Seminário Regional do Cataforte III, em Brasília (DF), com a participação das Redes Centro-Oeste e Norte.

O evento contou com a participação de catadores das Redes Alternativa e Centcoop, do Distrito Federal, Rede Recicla Pará, do Pará, Reccamto, de Tocantins, e Uniforte, de Goiás.

No seminário as Redes Catavida e Catarecicla, de São Paulo, e a Rede Cataparaná apresentaram suas experiências nas áreas de comercialização em rede, prestação de serviços, logística reversa e verticalização.

Foram três dias intensos de atividades, troca de experiências e debates sobre Plano de Negócios Sustentáveis do Cataforte III. O objetivo é criar oportunidades de comercialização conjunta de recicláveis para as cinco redes das regiões Centro-Oeste e Norte do país.

Alessandra Alves Lopes, catadora da Rede Centcoop/DF falou sobre a importância do evento “Eu vou levar muita experiência para minha base. Essa troca de ideias me fez ver a importância de trabalhar em rede, e pra mim ficou claro que as conquistas passam pela união dos catadores."

“Tudo o que dividimos aqui serve de base para fortalecer o Cataforte III. O sonho de todas as redes é comercialização conjunta, é sair da mão do atravessador e chegar na indústria. Então aqui percebemos que com o Cataforte III estamos no caminho certo“, afirma Nair Rodrigues Vieira, da Rede Uniforte Goiânia

A experiência e Goiana impressionou a catadora da Recicla Pará Noemia Nascimento, que disse pensar em replicar a prática no Pará. “Aprendi muito nestes três dias. Volto para o Pará cheia de entusiasmo e força pra arregaçar as mangas e junto com meus companheiros conquistar uma vida melhor e mais digna. E Goiânia é um lindo exemplo de que a união e a persistência trazem muitas conquistas”.

Noemia também falou sobre os avanços na cadeia de reciclagem trazidos pelo Cataforte. “Quero agradecer a Fundação Banco do Brasil pelo Cataforte, que abriu portas e possibilidades dos nossos empreendimentos se tornarem redes e se fortalecerem para conquistar todos os nosso objetivos, porque sozinho nunca conseguiríamos chegar onde desejamos”, conclui Noemia.

Empreendimentos solidários
O Cataforte teve início em 2007 e contribuiu para a constituição e fortalecimento de empreendimentos econômicos solidários formados por catadores de materiais recicláveis. Desde 2014, o Cataforte III habilitou 33 redes de empreendimentos solidários, formadas por cooperativas e associações de catadores de materiais recicláveis. Contou com recurso de R$ 30,5 milhões, por meio de convênio que integrou a Fundação BB, o Banco do Brasil, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), o Ministério do Trabalho, com a Secretaria Nacional de Economia Solidária (MTE/Senaes), o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a Petrobras, com o apoio do Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR). Ainda em execução, valor previsto para esta fase é de 200 milhões.

A realização deste projeto contempla cinco Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

1 5 8  10  11

 

 

Ler 2599 vezes Última modificação em Quarta, 12 Abril 2017 08:56

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.