Quinta, 17 Agosto 2017 10:07

Quebradeiras de coco de babaçu do PI recebem incentivo da Fundação BB Destaque

Escrito por Dalva de Oliveira e Paula Crepaldi
Avalie este item
(1 Votar)
Foto: Blogueiro Richarle Tuira Foto: Blogueiro Richarle Tuira

Associação contará com duas novas agroindústrias e a aquisição de máquinas e equipamentos para melhorar e aumentar produção

A construção de duas novas unidades de processamento do babaçu irá fortalecer e empoderar mulheres do assentamento Maracá/Retrato e povoado Riacho do Conrado, no município de Miguel Alves (PI), localizado a 112 quilômetros da capital Teresina (PI). Com o investimento social de R$ 250 mil da Fundação BB, a Associação das Mulheres Quebradeiras irá adquirir também máquinas e equipamentos para melhorar o modo de produção com aproveitamento de todos as partes do babaçu, ampliando o potencial de sua cadeia produtiva.

A região de Miguel Alves possui uma extensa floresta de babaçu, onde as atividades de extração e beneficiamento da fruta são geralmente desenvolvidas pelas famílias de forma artesanal com ampla participação das mulheres. São extraídos em média 200 litros de azeite do coco por mês e 150 quilos de mesocarpo, que é uma matéria-prima utilizada para a fabricação de farinha, biscoito, broa, pão de ló, cocada de coco babaçu, manjar e creme de galinha. Até a casca é aproveitada e destinada para a produção de carvão.

A Associação das Mulheres Quebradeiras de Coco do Município de Miguel Alves, conta hoje com 45 mulheres associadas, com idades médias entre 30 e 50 anos. A entidade, juntamente com a Comissão Pastoral da Terra (CPT) desenvolve um trabalho de luta pelo empoderamento das mulheres, com valorização e resgate da autoestima, na construção da equidade de gênero, fortalecimento da economia solidária e a defesa do extrativismo sustentável do babaçu, melhorando a qualidade de vida das famílias.

“Embora ainda exista uma depreciação pelo trabalho, as mulheres têm orgulho de serem quebradeiras de coco. Mesmo com as mãos calejadas e marcadas pelo machado, elas não têm mais vergonha da profissão que exercem e com isso estão transformando o que era visto como miséria em riqueza”,declarou irmã Ana Lúcia, coordenadora do projeto.

Participam da solenidade de assinatura do convênio, o presidente da Fundação BB, Asclepius Soares, o vice-presidente de Governo do Banco do Brasil, José Eduardo Pereira Filho, o diretor-executivo de Desenvolvimento Social da Fundação BB, Rogério Biruel e o superintendente do Banco do Brasil no Piauí, Pio Gomes.

Chapadinha (MA)
No Maranhão, 528 famílias serão beneficiadas com a construção de agroindústria de extração de óleo do babaçu no assentamento Canto do Ferreira, localizado em Chapadinha. O convênio entre a Associação das Quebradeiras de Coco dos Projetos de Assentamentos de Chapadinha e a Fundação Banco do Brasil (FBB) foi assinado no dia 15 e abrange três projetos de assentamento de reforma agrária e um em comunidade quilombola. O projeto tem como objetivo ampliar a renda de extrativistas com a produção e comercialização de subprodutos do coco babaçu. O investimento social da Fundação BB será de R$ 238 mil. Outros parceiros dos projeto são a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) – Centro de Ciências Agrárias e Ambientais (CCAA), Campus de Chapadinha; a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (AGERP); a Prefeitura Municipal de Chapadinha; a Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA); o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE); e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR).

Ler 11291 vezes Última modificação em Quinta, 17 Agosto 2017 10:29

1 Comentário

  • Link do comentário Saulo Quinta, 19 Abril 2018 00:02 postado por Saulo

    Será que não da pra elas fazerem botões de camisa com a casca do coco pra minha produção de camisas? Parabéns! excelente iniciativa =)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.