Quarta, 17 Outubro 2018 09:37

Plano Nacional de Agroecologia brasileiro é premiado pela ONU

Escrito por Dalva de Oliveira
Avalie este item
(1 Votar)

 A edição de 2018 contou com a representação de 51 políticas de 25 países

A Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica do Brasil (PNAPO) recebeu o Prêmio Prata no concurso Políticas para o Futuro (Future Policy Award) de 2018, organizada pelo World Future Council, pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e pela IFOAM – Organics International, com o apoio da Cruz Verde Internacional, DO-IT – (Dutch Organic International Trade) e o Grupo Sekem do Egito.

A iniciativa brasileira disputou a final com outras sete inciativas. O vencedor foi a política “Estado 100% Orgânico”, de Sikkim, na Índia. O Concurso exalta as iniciativas de sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis, fundamentais para o desenvolvimento sustentável e a resiliência climática. Também receberão Prêmios Prata: o Plano de Ação Orgânica da Dinamarca (2011-2020, atualizado em 2015) e Programa Participativo de Agricultura Urbana de Quito (AGRUPAR, 2002).

As melhores práticas do mundo para a promoção de abordagens agroecológicas selecionadas para o prêmio internacional incluiu também políticas do Equador, Dinamarca, Senegal, Filipinas e Estados Unidos, e também a do TEEBAgrifood. Criada há seis anos, a edição de 2018 contou com a representação de 51 políticas de 25 países. Um júri de especialistas internacionais foi convocado para deliberar sobre os principais candidatos.

O PNAPO é uma política estrutural desenvolvida com envolvimento da sociedade civil. Em seu primeiro ciclo de atividades contou com investimentos de 364 milhões de euros. Entre outras conquistas, ajudou 5.300 municípios a investir 30% ou mais de seus orçamentos para alimentação escolar em produtos orgânicos e agroecológicos adquiridos de agricultores familiares.

A partir do PNAPO, em 2014, foi criado o Programa de Fortalecimento e Ampliação das Redes de Agroecologia e Produção Orgânica ( Ecoforte), que também integra o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo) para o fortalecimento e a ampliação das redes, cooperativas e organizações socioprodutivas e econômicas de agroecologia, extrativismo e produção orgânica.

Os recursos do Ecoforte são originários da Fundação Banco do Brasil, do Fundo Amazônia e do Fundo Social do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Entre 2014 e 2018 já foram investidos cerca de R$ 50 milhões para estruturar 28 redes de agroecologia e produção orgânica e mais de 30 empreendimentos econômicos coletivos de populações extrativistas beneficiárias de Unidades de Conservação Federais de Uso Sustentável localizadas no Bioma Amazônia para beneficiamento e comercialização de produtos da sociobiodiversidade. Além disso, a FBB está realizando processo de seleção de redes de agroecologia, extrativismo e produção orgânica, além de empreendimentos econômicos coletivos nessa temática, com previsão de investimento de R$ 25 milhões em 2018/2019.

O prêmio Vision Award foi concedido para o TEEBAgriFood, uma iniciativa da “Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB)” pela ONU Environment. Já as Menções Honrosas do Prêmio Future Policy Award foram para a Política de Compra de Alimentos de Los Angeles, EUA (2012); para o Programa de Desenvolvimento Agrícola de Ndiob, Senegal (2017); e para o programa Das Armas para as Fazendas, de Kauswagan, ilipinas (2011). A cerimônia da premiação foi realizada na segunda-feira, 15 de outubro, durante a Semana Mundial da Alimentação, em Roma, com a participação de Ministros, tomadores de decisão e imprensa na sede da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

 

Ler 2002 vezes Última modificação em Quarta, 17 Outubro 2018 09:48

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.