Terça, 15 Janeiro 2019 10:17

Música clássica como inclusão social Destaque

Escrito por Dalva de Oliveira
Avalie este item
(1 Votar)
                                                                                                                                                                                                                               Foto: acervo Reciclando Sons

Projeto Reciclando Sons utiliza a música clássica como método para geração de renda no Distrito Federal

Quando idealizou o projeto Reciclando Sons em 2001, a maestrina Rejane Pacheco sabia que poderia escrever uma história diferente para as crianças, adolescentes e jovens da Cidade Estrutural (DF). E uma de suas prioridades era que eles tivessem acesso aos espetáculos e escolas de música.

O nome dado ao projeto “Reciclando Sons” faz referência à reciclagem de lixo, ocupação da maioria dos moradores da cidade quando o projeto foi criado, e de onde eles tiravam a renda para o sustento das famílias.

Prestes a completar dezoito anos, a pequena escola de música ganhou corpo, firmou parceiras e se tornou um instituto. A partir de então, desenvolveu a metodologia que utiliza a educação em música clássica para crianças e jovens como ferramenta para geração de renda e democratização da cultura. A metodologia foi vencedora do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social, em 2013, na categoria Juventude. O modelo faz uso de um sistema simples de aprendizagem em que os alunos conseguem tocar o instrumento musical de maneira efetiva em um ano. Com o valor da premiação, a tecnologia social foi reaplicada para outras regiões administrativas do Distrito Federal - Vicente Pires, Ceilândia, Taguatinga e também para a cidade de Águas Lindas de Goiás (GO).

De acordo com Rejane, a premiação contribui na divulgação, ajudou a fortalecer e abriu portas. A parceria com Fundação BB também proporcionou o intercâmbio internacional de dois alunos na Accademia Nazionale di Santa Cecilia de Roma. Em 2017, recebeu recursos da Fundação BB para a aquisição de uma van, que contribui para o fluxo de atividade da orquestra e divulgação do trabalho; e ainda, a inclusão da Orquestra Vitrine em diversos eventos no DF.

Em 2018, a entidade inaugurou o galpão de tecnologia social na Cidade Estrutural, onde fica a sede, com o apoio de diversas entidades voltadas para o financiamento social e da sociedade civil, um espaço para a inclusão, protagonismo social e desenvolvimento de alternativas socioeducacionais que contribuam para a superação da vulnerabilidade social dos atendidos.

Recentemente o instituto foi selecionado para receber novos recursos da Fundação BB, para o projeto "Sabor & Som". Previsto para iniciar as atividades em março 2019, a iniciativa vai atender cerca de 60 jovens e mulheres, prioritariamente, com idade a partir de 16 anos. O objetivo é oferecer capacitação profissional em panificação e confeitaria e na estruturação de uma padaria comunitária, fruto de uma demanda social urgente na qual se encontra a comunidade local, com o fechamento do lixão que era uma fonte de renda para as famílias. A capacitação oferecida proporcionará a produção de produtos que serão comercializados na instituição, colaborando com a sustentabilidade do projeto. A produção beneficiará conjuntamente a alimentação de todos os alunos atendidos pela entidade.

Em fevereiro, serão abertas novas turmas para crianças e adolescentes e jovens que tenham interesse pela música nos cursos que já existem: primeira e segunda fase do "Notas & Canções", para crianças com idades entre 7 a 16 anos; terceira fase do "Arte do Protagonismo" para adolescentes e jovens com idades entre 16 a 26 anos (20 vagas); quarta fase do "En-canto & En-cordas", direcionado a adolescentes e jovens a partir de 16 anos (40 vagas); fomento e geração de renda "Amigos da Orquestra" (50 vagas). As atividades são gratuitas, prioritárias a pessoas em situação de vulnerabilidade social para o preenchimento de vagas. Quem não consegue vaga para o ano vigente tem o nome incluído no cadastrado de reservas da instituição.

“A gestão do Instituto Reciclando Sons tem buscado continuamente modernizar sua atuação e planejamento. É sabido que vivemos na era do protagonismo, nisso a música como tecnologia de educação se faz importantíssima para o desenvolvimento humano. Vislumbramos tornar a nossa tecnologia cada vez mais criativa, replicável e autossustentável. Nós acreditamos que estamos formando uma geração comprometida não só com o fazer musical, mas também com a complexidade que envolve a inclusão social,a sustentabilidade das ações e com a continuidade para a futuras gerações”, declarou a maestrina.

Para saber mais sobre os cursos acompanhe pelo site http://reciclandosons.org.br ou entre em contato pelo telefone (61) 3363-0036.

Ler 984 vezes Última modificação em Terça, 15 Janeiro 2019 10:35

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.