Sexta, 26 Maio 2017 15:15

Libras ganha visibilidade com jogo de cartas Destaque

Escrito por Dalva de Oliveira
Avalie este item
(2 votos)
Libras ganha visibilidade com jogo de cartas Acervo da Universidade do Estado de Minas Gerais

Iniciativa vencedora do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2015 está disponível em aplicativo online

Um jogo de cartas tem disseminado a Língua Brasileira de Sinais, promovendo a universalização da comunicação entre surdos e ouvintes. O “Librário: Libras na escola e na vida" é um jogo didático e pedagógico desenvolvido pelo Centro de Estudos em Design e Tecnologia da Escola de Design da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG). A iniciativa venceu o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2015, na categoria Universidades e Instituições de Ensino e Pesquisa.

A tecnologia é composta por cartas de baralho em pares que contêm sinais de Libras e palavras que remetem ao universo das artes e do cotidiano. O jogo acontece de forma divertida, com o estreitamento de laços entre a comunidade, onde todos são incluídos. As ações são realizadas no contexto escolar e impulsionam a melhoria da qualidade da educação e transformação social.

“O Prêmio da Fundação trouxe credibilidade a um trabalho reconhecido nacionalmente, ampliou o alcance, contribuiu com a divulgação de Libras e, consequentemente, com a inclusão dos surdos”, afirma Flávia Neves, professora de Artes Visuais e criadora do Librário.

Passados quase dois anos da certificação e premiação, o projeto contabiliza ações e conquistas. Com os recursos do Prêmio, foi adquirido material gráfico com novos jogos e manuais. Foi possível também o investimento em recursos humanos (alunos bolsistas de design e licenciatura) e equipamentos. A tecnologia social foi apresentada em várias cidades brasileiras, com divulgação inclusive em canais de televisão. Em 2016, outro reconhecimento: o Librário conquistou o primeiro lugar no Prêmio Brasil Criativo, na categoria Games.

Flávia Neves, idealizadora da iniciativa, destaca que várias parcerias com universidades foram firmadas após o reconhecimento. Diversas escolas públicas também adotaram as práticas para o ensino de Libras, como a Escola Municipal Raul Saraiva Ribeiro, em Betim (MG), que ministrou oficinas para pais, filhos e professores.

Outra parceria de sucesso foi a reaplicação da iniciativa no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB). No começo de 2016, foram capacitados mediadores do Programa Educativo nas unidades de Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo como multiplicadores da metodologia com atividades e oficinas.

Atualmente, o Librário já está disponível em aplicativo para download nos sistemas Android, IOS e Windows. O projeto digital recebeu patrocínio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig).

Assista aqui ao vídeo desta iniciativa vencedora.  

Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social 2017

Conhece alguma iniciativa que traga solução para problemas sociais? As inscrições para o Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social 2017 seguem abertas até o dia 31 deste mês. Podem participar instituições sem fins lucrativos, como fundações, organizações da sociedade civil, instituições de ensino e pesquisa.

O concurso tem a cooperação da Unesco no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Mais informações sobre o Prêmio podem ser obtidas no portal da Fundação (fbb.org.br), no hotsite do Prêmio de Tecnologia Social (fbb.org.br/premio) e no Banco de Tecnologias Sociais (tecnologiasocial.fbb.org.br).

A divulgação deste prêmio contempla todos os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17

 

 

Ler 8653 vezes Última modificação em Terça, 30 Maio 2017 15:02

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.