Segunda, 10 Dezembro 2018 09:27

Fundação BB e Instituto Aiba constroem espaço de pesquisas e produção de alimentos no Oeste da Bahia Destaque

Escrito por Dalva de Oliveira
Avalie este item
(1 Votar)
Fotos: acervo Ufob Fotos: acervo Ufob

Espaço contribui para aproveitamento e valorização dos produtos da agricultura familiar e aprimora a formação profissional na área de nutrição

Da necessidade de um lugar para desenvolver pesquisas, atividades acadêmicas, capacitações e processamento de alimentos, nasceu o Complexo de Pesquisa e Processamento de Alimentos do Oeste da Bahia. Instalado na Fazenda Modelo e coordenado pelo Instituto da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Iaiba), da cidade de Barreiras , o empreendimento começou a ganhar forma em 2017, quando recebeu da Fundação Banco do Brasil o investimento social de R$ 245 mil.

O recurso proporcionou uma construção de 230 metros quadrados composta por cozinha experimental, laboratório de pesquisa e refeitório, utilizados por 40 alunos do curso de nutrição da Universidade Federal do Oeste da Bahia (Ufob), por 110 alunos do Programa Jovem Aprendiz Rural, e 60 produtores rurais da região. A instalação, inaugurada em novembro, oferece aos estudantes e à comunidade capacitações, refeições e minicursos de elaboração de receitas com produtos regionais, palestras sobre boas práticas na fabricação e alimentos e reaproveitamento integral dos produtos.

Isabela Barreto, estudante do oitavo semestre de nutrição pela Ufob, apontou que seria complicado realizar todas as aulas práticas exigidas pelo curso sem as instalações do empreendimento. “Aqui fiz aulas de tecnologia de alimentos e técnica dietética e agora estou tendo a oportunidade de desenvolver o meu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), uma análise sensorial e físico-química de um pão enriquecido com farinha de soja”.

A futura nutricionista diz ainda que outros três colegas de turma também são beneficiados pela estrutura: Andressa Ketlen que desenvolve um sorvete de biomassa de banana verde, além das análises do produto; Barbara Feitosa faz uma caracterização físico-química sensorial de um cookie à base de farinha de soja, e Wesley Tarso, uma análise da mamoninha-do-mato (Mabea Fistulifera Mart) e seu potencial para substituir a carne tipo hambúrguer. "As análises físico-químicas demonstram a quantidade de macronutrientes disponíveis nos alimentos e a análise sensorial é feita para avaliar a aceitação do produto por parte dos provadores, segundo características de textura, sabor e aparência", explica a jovem.

Natalie Ribeiro, engenheira agrônoma e analista de projetos da Aiba, destaca que o complexo é de extrema importância para a região na formação de profissionais competentes para o mercado de trabalho e no aproveitamento e valorização dos produtos da agricultura familiar. “Essa parceria com a Fundação Banco do Brasil está proporcionando melhorias para muita gente. Sem esse espaço, os jovens aprendizes precisariam se deslocar para longe para realizar as aulas práticas. Além disso, é aqui que o supervisor agrícola ensina receitas saborosas e nutritivas, e como aproveitar alimentos bons que iriam para o lixo em compotas e frutas desidratadas”, disse.

Ler 1514 vezes Última modificação em Segunda, 10 Dezembro 2018 10:02

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.