Segunda, 25 Junho 2018 10:42

Babaçu e a força do trabalho feminino Destaque

Escrito por Dalva de Oliveira
Avalie este item
(1 Votar)

Projeto em Miguel Alves recebe apoio da Fundação BB para beneficiar produtos de quebradeiras de coco

Da palmeira do babaçu, tudo se aproveita. Da folha, que pode chegar a 20 metros de altura, faz-se telhado para casas, móveis, cestas e outros objetos artesanais. O caule pode ser aproveitado na fabricação de adubo e em estrutura de construções. Da casca do coco faz-se carvão, do mesocarpo, farinha, e da amêndoa do coco extrai-se o óleo, que é usado, sobretudo, na alimentação, mas também como combustível, lubrificante e na fabricação de sabão e cosméticos.

Em Miguel Alves, município localizado ao norte do Piauí, um grupo composto por 29 mulheres está dando um novo rumo na vida das famílias que trabalham com a cadeia produtiva do babaçu. As agricultoras fazem parte da Associação das Mulheres Quebradeiras de Coco, que recebeu da Fundação Banco do Brasil R$ 250 mil, usados na construção de duas unidades de processamento e na compra de máquinas e equipamentos.

O projeto “Mulheres Quebradeiras de Coco de Miguel Alves - Um sonho que se torna realidade” está contribuindo para o empoderamento das mulheres, o fortalecimento da economia solidária e a defesa do extrativismo sustentável do babaçu, melhorando a qualidade de vida das famílias associadas. Ao todo, 150 pessoas serão beneficiadas, além de um grande número de consumidores que vão adquirir os produtos manipulados pelas mulheres do babaçu. Na região, o quilo da amêndoa do coco é vendido por R$ 2,30, um valor considerado muito abaixo se comparado com o cobrado em outras regiões do país.

Para a coordenadora do projeto, irmã Ana Lúcia Corbani, ainda persiste a percepção de que o trabalho das quebradeiras de coco vale pouco. Mesmo carregando muito peso nas costas ou na cabeça, o esforço não é recompensado com valor justo. A religiosa explica que, na contramão da desvalorização da mão de obra, existe uma grande expectativa com as novas unidades de beneficiamento, com as quais as mulheres organizadas poderão melhorar a qualidade dos produtos, além de ampliar a produção.

Merenda escolar
No segundo semestre deste ano, a Associação das Mulheres Quebradeiras de Coco passará a fornecer os produtos para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), por meio da Secretaria de Agricultura e Educação do município. Serão 800 quilos de farinha de mesocarpo e 600 quilos de biscoitos de mesocarpo para as escolas da rede municipal de ensino de Miguel Alves. Também existe um diálogo bem avançado com a Secretaria de Desenvolvimento Rural do Piauí - SDR para acessar o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e obter maior visibilidade nas feiras de agricultura familiar e economia solidária que periodicamente acontecem na região.

Homenagens
As unidades de processamento entregues nas comunidades de Conrado e Retrato receberam nomes de personagens locais. Em Conrado, o empreendimento foi batizado com o nome de Dona Paixão - em memória à quebradeira de coco, pioneira do grupo organizado de mulheres em Miguel Alves. Ela ajudou a conceber as Comunidades Eclesiais de Base na região. Dona Paixão faleceu há três anos.
Já na comunidade de Retrato, a unidade foi apelidada de Expedita Araújo, uma agente pastoral, que ainda vive e que sempre abraçou a causa da terra e, em especial, a mulheres camponesas.

O projeto tem o apoio também das Irmãs do Imaculado Coração de Maria, Comissão Pastoral da Terra Piauí, Sindicato de Trabalhadores Rurais e Paróquia de Miguel Alves.

A divulgação deste assunto contempla cinco Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano 2030.

01ods 100x100 02ods 100x100 08ods 100x100 010ods 100x100 011 ods 100x100 

Ler 12214 vezes Última modificação em Segunda, 25 Junho 2018 10:55

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.