Segunda, 20 Fevereiro 2017 11:14

Agricultores de Viçosa usam tecnologias sociais para melhorar qualidade da água Destaque

Escrito por Dalva de Oliveira
Avalie este item
(1 Votar)

Técnicas vão tratar resíduos sanitários e apoiar práticas agroecológicas para evitar a contaminação de recursos naturais

Diagnóstico realizado pelo Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata (CTA-ZM) apontou a diminuição da quantidade e qualidade da água em propriedades rurais de Viçosa, cidade da Zona da Mata mineira. O impacto ambiental também foi detectado em áreas vizinhas a parques estaduais e nacionais.

A justificativa para degradação dos solos e da água na região é atribuída à monocultura do café, principal atividade agrícola local, que faz uso de grandes quantidades de adubos químicos sintéticos e agrotóxicos.

Como forma de solucionar o problema, foi elaborado o projeto "Na Sombra das Minhas Árvores: Ampliando as Bases para Agroecologia", que incentiva a práticas agroecológicas na região, por meio do plantio de alimentos em ciclos naturais sem a utilização de fertilizantes químicos e agrotóxicos.

Com o investimento social da Fundação Banco do Brasil, no valor de R$ 200 mil, o projeto pretende ampliar a segurança alimentar da população, além de permitir a produção para comercialização. Os participantes, incluindo jovens, mulheres e técnicos serão capacitados em diversas práticas e em tecnologias sociais para conservação da água e do solo. Aproximadamente cem famílias de pequenos agricultores serão beneficiadas.

Além dos cursos, a iniciativa irá promover a reaplicação da tecnologia social Fossas Sépticas e Fossas Biodigestoras (Tevap). Serão 30 unidades que farão o destino adequado de dejetos sanitários, evitando a contaminação do solo.

Também serão implantadas dez Unidades Participativas em Plantio de Água (UPPAs) – técnica que utiliza buracos cavados no solo para a água penetrar lentamente, evitando a erosão. Os recursos contemplam ainda aquisição de equipamentos, serviços e materiais de consumo.

De acordo com o técnico do projeto, Eugênio Resende, a implantação das tecnologias será desenvolvida em sistema de mutirão, durante as oficinas de capacitação. A partir do desenvolvimento das ações, pretende-se ampliar o número de famílias atendidas. Resende destacou a atuação da Fundação BB no desenvolvimento sustentável. “A Fundação BB já é considerada uma das nossas principais parceiras. Nos últimos anos, ela vem se destacando no apoio à agroecologia e a ações voltadas para a geração de renda”, concluiu.

Ler 1150 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.